Montenegro: "Não temos birras nem amuos"

Líder parlamentar do PSD garante que o partido está a preparar uma alternativa de poder ao Governo socialista e que vai lutar por uma "maioria absoluta" nas legislativas.

À chegada ao 36º Congresso do PSD, em Espinho, Luís Montenegro voltou a responder às críticas de Paulo Rangel à liderança do partido quanto à falta de agressividade no combate ao executivo de António Costa: "A oposição não se mede pela agressividade, mas pela credibilidade, pela responsabilidade e por estar atento aos erros e omissões do Governo", disse.

O deputado social-democrata manifestou compreensão pela ausência dos críticos de Passos Coelho, entre os quais Rui Rio, Manuela Ferreira Leite e Nuno Morais Sarmento. Mas "via com bons olhos"que tivessem vindo a Espinho "afirmar as suas ideias".

Rejeitou a ideia de Pedro Passos Coelho seja um "líder isolado" e admitiu que as eleições autárquicas de 2017 são um grande desafio do partido, que vai lutar por voltar a ter a "supremacia" nas câmaras municipais, Mas refutou que se esse objetivo não for alcançado ponha em causa a liderança de Passos Coelho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.