Montenegro insiste que geringonça é "adulteração da vontade popular"

Mesmo sem estar presente, líder da bancada social-democrata lembrou aos jovens da universidade de verão do PSD que o "povo não quis" a "geringonça"

O líder parlamentar do PSD voltou a insistir na tese de falta de apoio popular da solução de governo e pede maioria absoluta nas próximas eleições. Numa resposta por escrito enviada a jovens da Universidade de Verão do PSD, onde só participa por e-learning nesta edição, Luís Montenegro afirmou que "o povo não quis que a governação fosse protagonizada por nenhum deles [PS,PCP,PEV e BE], nem quis que as orientações políticas do governo fossem a dos programas desses partidos".

Na resposta - que chegou durante a madrugada de hoje aos cerca de 100 alunos da Universidade de Verão através do jornal do evento (o JUV) - o líder da bancada social-democrata acrescenta ainda que a chamada "geringonça" é uma "solução formalmente possível e legítima, mas é materialmente uma adulteração da vontade popular".

Luís Montenegro diz que, perante a situação, o papel do PSD é "respeitar as regras, denunciar as habilidades, os erros e as omissões desta geringonça e fortalecer a nossa alternativa política para conseguirmos a maioria absoluta dos mandatos nas próximas eleições".

O PSD tem vindo a falar menos na falta de legitimidade e de ética política da solução de governo, mas o líder parlamentar faz questão de, a espaços, relembrar que "foi o PSD que ganhou as eleições".

Noutra das respostas enviadas a alunos, Montenegro justifica ainda a disciplina de voto, explicando que "a não aplicação da disciplina tona impercetível a posição partidária perante os eleitores e dificulta as condições de governabilidade." E questiona: "Já viram o que era um parlamento de 230 deputados limianos?"

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."