Montenegro insiste que geringonça é "adulteração da vontade popular"

Mesmo sem estar presente, líder da bancada social-democrata lembrou aos jovens da universidade de verão do PSD que o "povo não quis" a "geringonça"

O líder parlamentar do PSD voltou a insistir na tese de falta de apoio popular da solução de governo e pede maioria absoluta nas próximas eleições. Numa resposta por escrito enviada a jovens da Universidade de Verão do PSD, onde só participa por e-learning nesta edição, Luís Montenegro afirmou que "o povo não quis que a governação fosse protagonizada por nenhum deles [PS,PCP,PEV e BE], nem quis que as orientações políticas do governo fossem a dos programas desses partidos".

Na resposta - que chegou durante a madrugada de hoje aos cerca de 100 alunos da Universidade de Verão através do jornal do evento (o JUV) - o líder da bancada social-democrata acrescenta ainda que a chamada "geringonça" é uma "solução formalmente possível e legítima, mas é materialmente uma adulteração da vontade popular".

Luís Montenegro diz que, perante a situação, o papel do PSD é "respeitar as regras, denunciar as habilidades, os erros e as omissões desta geringonça e fortalecer a nossa alternativa política para conseguirmos a maioria absoluta dos mandatos nas próximas eleições".

O PSD tem vindo a falar menos na falta de legitimidade e de ética política da solução de governo, mas o líder parlamentar faz questão de, a espaços, relembrar que "foi o PSD que ganhou as eleições".

Noutra das respostas enviadas a alunos, Montenegro justifica ainda a disciplina de voto, explicando que "a não aplicação da disciplina tona impercetível a posição partidária perante os eleitores e dificulta as condições de governabilidade." E questiona: "Já viram o que era um parlamento de 230 deputados limianos?"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.