Polémica com Barreiras Duarte "cria ruído" à liderança de Rui Rio

Luís Montenegro diz que assim não é possível ao líder do PSD fazer o seu trabalho político

O ex-líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, afirmou hoje que a polémica à volta do currículo de Feliciano Barreiras Duarte "cria ruído" ao trabalho político da liderança de Rui Rio e desejou que seja "rapidamente" ultrapassada.

"Não há dúvida que isto cria ruído à volta do trabalho político do líder e da afirmação da liderança do PSD e isso deve ser tido em consideração com vista a que se ultrapasse rapidamente para que o PSD e o seu líder se possam afirmar na base do seu projeto para o país, das suas ideias, daquilo que é a apresentação de uma alternativa política", afirmou Luís Montenegro, no programa semanal da TSF "Almoços Grátis".

No mesmo programa, o líder parlamentar e presidente do PS, Carlos César, também considerou que "não deixa de ser pelo menos incomodativo para o PSD a situação que se está a viver".

"Semana após semana o líder do PSD vai escondendo num baú um vice-presidente da Comissão Política. Porque, casos vão-se sucedendo, e a suposta imagem de diferenciação e intocabilidade que a nova liderança do PSD queria imprimir, certamente a contraponto da anterior, está a ir um pouco por água abaixo", criticou o socialista.

O semanário Sol noticiou no sábado que Feliciano Barreiras Duarte teve de retificar o seu currículo académico para retirar o item que o indicava como professor convidado ('visiting scholar') na Universidade de Berkeley, na Califórnia, Estados Unidos.

Na terça-feira, a Procuradoria-Geral da República remeteu para inquérito no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa os elementos que recolheu sobre o caso. "Na sequência de notícias vindas a público, a Procuradoria-Geral da República procedeu à recolha de elementos. Esses elementos foram encaminhados para o DIAP de Lisboa com vista a inquérito", revelou a PGR, em resposta à agência Lusa, sem adiantar mais pormenores.

À noite, em comunicado, o secretário-geral do PSD reiterou que "nada fez de errado" e que irá "esperar serenamente" os resultados do inquérito aberto pela Procuradoria-Geral da República ao caso do seu currículo.

"Nada fiz de errado no chamado processo de Berkeley; todos os movimentos e ações relacionados com esse caso estão devidamente documentados e são inequívocos quanto à minha inocência; fui convidado para 'visiting scholar' (estatuto que não confere qualquer grau académico) e não me fiz convidado; não tirei qualquer proveito da Universidade de Berkely -- nem financeiro, nem académico, nem profissional, nem político", lê-se num comunicado divulgado na terça-feira por uma agência de comunicação em nome de Feliciano Barreiras Duarte.

Na TSF e sobre o Congresso do CDS-PP, que se realizou no passado fim de semana em Lamego (Viseu), Luís Montenegro considerou "normal" que a líder democrata-cristã, Assunção Cristas, tenha defendido que o seu partido seja a primeira escolha dos portugueses.

"Isso não quer dizer no PSD que não tenhamos a consciência de que a força alternativa principal é o PSD, que o PSD é a força que pode retirar a vitória eleitoral ao PS", disse.

Para o ainda deputado social-democrata -- Luís Montenegro deixará o parlamento em 05 de abril -- "quanto mais reforçado estiver o CDS melhor para o PSD".

"Penso que o contrário também é o desejo do CDS, não há que dramatizar essas considerações", afirmou.

Ler mais

Exclusivos