Montenegro considera "deselegantes" comentários sobre declarações de Teodora Cardoso

Luís Montenegro disse que Marcelo Rebelo de Sousa, o Governo e os partidos que o apoiam "foram deselegantes a todos os níveis"

O líder da bancada parlamentar do PSD classificou hoje de "deselegantes a todos os níveis" os comentários do Presidente da República, governo e partidos que apoiam o executivo às declarações da presidente do Conselho de Finanças Públicas sobre o défice.

Teodora Cardoso classificou numa entrevista ao jornal Público e à Rádio Renascença na semana passada de "milagre" o défice do ano passado" e quando instado a comentar, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu que "milagres, só em Fátima".

Hoje, Luís Montenegro disse à Antena 1 que Marcelo Rebelo de Sousa, o Governo e os partidos que o apoiam "foram deselegantes a todos os níveis" com Teodora Cardoso.

No entanto, considerou que essa "não é a atitude padrão de Marcelo Rebelo de Sousa, ao contrário do Governo, do PCP e Bloco de Esquerda que têm o padrão de condicionar e restringir a oposição".

"Agora o padrão do Governo e dos partidos que o apoiam é de facto diferente, é de querer condicionar, quase restringir, quer a atuação da oposição, quer a atuação de instituições independentes. É intolerável na democracia e não calarei a minha voz nunca", disse.

Na entrevista, o líder parlamentar disse também que se o executivo de António Costa falhar, é possível encontrar outra solução governativa, sem que seja necessário eleições antecipadas.

"Não é preciso eleições. Dou como garantido que a geringonça se vai aguentar esse tempo todo. Presumo que sim, mas mesmo que não se aguentasse isso não significa per si que tenha de haver eleições antecipadas", disse Luís Montenegro.

De acordo com o líder parlamentar, o quadro parlamentar permite outros ajustamentos desde que haja vontade política dos partidos".

"Não estou a dizer que seja isso que vai acontecer, mas é preciso esgotar todas as soluções parlamentares", sublinhou.

À Antena 1 Luís Montenegro admite também que o PSD ainda pode ganhar as eleições em Lisboa, não avançando nomes, e apesar de reconhecer que "a cada semana que passa (sem candidato) se torna mais difícil".

Na entrevista, o responsável adiantou também que vai apresentar uma proposta de redução de deputados, para 181, para não ser necessária revisão constitucional.

"Ainda não temos uma decisão final. Ainda não sabemos se vai ficar circunscrito aos atuais círculos eleitorais ou se vai haver alguma alteração nesse domínio, nomeadamente uma subdivisão dos grandes círculos, uma aproximação do número de deputados eleitos por círculo diferente da que temos hoje", sublinhou.

Segundo Luís Montenegro, o modelo que o PSD vai apresentar garante a proporcionalidade.

À Antena 1, o líder da bancada parlamentar do PSD desafiou Rui Rio a avançar no congresso pós-autárquicas em 2018, "se ele assim avaliar".

"É positivo que o PSD possa confrontar quer protagonistas quer projetos, nas alturas certas, que é para o partido não se ficar a queixar das decisões que tomou"", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.