Montenegro considera "deselegantes" comentários sobre declarações de Teodora Cardoso

Luís Montenegro disse que Marcelo Rebelo de Sousa, o Governo e os partidos que o apoiam "foram deselegantes a todos os níveis"

O líder da bancada parlamentar do PSD classificou hoje de "deselegantes a todos os níveis" os comentários do Presidente da República, governo e partidos que apoiam o executivo às declarações da presidente do Conselho de Finanças Públicas sobre o défice.

Teodora Cardoso classificou numa entrevista ao jornal Público e à Rádio Renascença na semana passada de "milagre" o défice do ano passado" e quando instado a comentar, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu que "milagres, só em Fátima".

Hoje, Luís Montenegro disse à Antena 1 que Marcelo Rebelo de Sousa, o Governo e os partidos que o apoiam "foram deselegantes a todos os níveis" com Teodora Cardoso.

No entanto, considerou que essa "não é a atitude padrão de Marcelo Rebelo de Sousa, ao contrário do Governo, do PCP e Bloco de Esquerda que têm o padrão de condicionar e restringir a oposição".

"Agora o padrão do Governo e dos partidos que o apoiam é de facto diferente, é de querer condicionar, quase restringir, quer a atuação da oposição, quer a atuação de instituições independentes. É intolerável na democracia e não calarei a minha voz nunca", disse.

Na entrevista, o líder parlamentar disse também que se o executivo de António Costa falhar, é possível encontrar outra solução governativa, sem que seja necessário eleições antecipadas.

"Não é preciso eleições. Dou como garantido que a geringonça se vai aguentar esse tempo todo. Presumo que sim, mas mesmo que não se aguentasse isso não significa per si que tenha de haver eleições antecipadas", disse Luís Montenegro.

De acordo com o líder parlamentar, o quadro parlamentar permite outros ajustamentos desde que haja vontade política dos partidos".

"Não estou a dizer que seja isso que vai acontecer, mas é preciso esgotar todas as soluções parlamentares", sublinhou.

À Antena 1 Luís Montenegro admite também que o PSD ainda pode ganhar as eleições em Lisboa, não avançando nomes, e apesar de reconhecer que "a cada semana que passa (sem candidato) se torna mais difícil".

Na entrevista, o responsável adiantou também que vai apresentar uma proposta de redução de deputados, para 181, para não ser necessária revisão constitucional.

"Ainda não temos uma decisão final. Ainda não sabemos se vai ficar circunscrito aos atuais círculos eleitorais ou se vai haver alguma alteração nesse domínio, nomeadamente uma subdivisão dos grandes círculos, uma aproximação do número de deputados eleitos por círculo diferente da que temos hoje", sublinhou.

Segundo Luís Montenegro, o modelo que o PSD vai apresentar garante a proporcionalidade.

À Antena 1, o líder da bancada parlamentar do PSD desafiou Rui Rio a avançar no congresso pós-autárquicas em 2018, "se ele assim avaliar".

"É positivo que o PSD possa confrontar quer protagonistas quer projetos, nas alturas certas, que é para o partido não se ficar a queixar das decisões que tomou"", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.