Costa é mais responsável pela "chegada do 'lixo' do que pela limpeza"

Classificou ainda o primeiro-ministro como "apoiante número um" do Governo de José Sócrates

O ex-líder parlamentar do, PSD Luís Montenegro, lamentou hoje que o atual Governo não tenha reconhecido o papel do anterior na subida do 'rating', considerando António Costa "mais responsável pela chegada do 'lixo' do que pela sua limpeza".

Num almoço de apoio ao candidato autárquico apoiado por PSD, CDS-PP e PPM em Braga, Ricardo Rio, Luís Montenegro disse não ter dificuldade em reconhecer que o atual Governo socialista "tem um contributo" na subida do rating da dívida portuguesa pela agência de notação Standard & Poor's na sexta-feira, mas lamentou que o contrário não tenha acontecido.

"Eu só encontro nesse posicionamento sinal de fraqueza: ao querer vangloriar-se tanto dessa saída, o doutor António Costa o que quer é esquecer-se que foi muito mais responsável pela chegada do 'lixo' a Portugal do que pela limpeza do 'lixo'", acusou, classificando o atual primeiro-ministro como "apoiante número um" do Governo liderado por José Sócrates.

Montenegro vaticinou uma nova vitória de Ricardo Rio em Braga nas autárquicas de 1 de outubro e pediu-lhe para "aguardar por 2019 para voltar a ter um primeiro-ministro chamado Pedro Passos Coelho, que não está condenado, nem ele, nem o PSD, só a governar Portugal para limpar o lixo que os socialistas fazem".

"Temos mesmo o direito de governar Portugal em temos de normalidade. Se governarmos Portugal em tempos de normalidade somos capazes de fazer muito mais e muito melhor que o Governo atual", defendeu.

O deputado social-democrata eleito pelo distrito de Aveiro acusou o Governo socialista de ter "duas caras" e apontou vários exemplos, entre os quais o apelo ao PSD para consensos nas obras públicas, para depois 'chumbar' as resoluções do partido no parlamento sobre essa matéria.

Também o presidente do PSD se referiu a esse 'chumbo' e estendeu-o à reprovação das principais propostas legislativas dos sociais-democratas em matéria de supervisão financeira.

"Apesar de estarem sempre a dizer que o PSD não tem projetos, sempre que o PSD apresenta propostas importantes elas são liminarmente chumbadas", lamentou Passos Coelho, dizendo que o mesmo aconteceu com as iniciativas do partido no âmbito do Programa Nacional de Reformas.

Para o líder do PSD, o PS "não pode estar a alterar traves mestras do Estado", como classificou a supervisão financeira, sem o apoio do maior partido da oposição e depois pedir consensos aos sociais-democratas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)