Montenegro: Se tiver de avançar "não pedirei licença a ninguém"

O ex-líder parlamentar do PSD disse que no atual contexto Passos Coelho é a pessoa certa para liderar partido

Luís Montenegro garantiu ontem à noite na SIC Notícas que está ao lado de Pedro Passos Coelho, líder do PSD, mas avisou que se achar que deve avançar à liderança do partido o fará.

"Se algum dia entender que essa pessoa sou eu, não vou pedir licença a ninguém e avançarei", disse o ex-líder da bancada parlamentar social-democrata.

Montenegro defendeu que, "no atual contexto da vida do PSD, Pedro Passos Coelho é a pessoa com melhores condições para ganhar eleições - ganhou duas - e é a pessoa mais bem preparada para governar". E garantiu que, por isso mesmo, está ao lado do atual líder do partido.

"Neste ciclo que estamos a viver eu estarei indiscutivelmente ao lado de Pedro Passos Coelho, a ajudá-lo neste caminho de oposição e a poder contribuir para que ele reforce o nosso score eleitoral nas eleições legislativas de 2019", disse.

Na terça-feira à noite, durante um jantar de despedida, o então ainda líder parlamentar não escondeu a emoção quando se referiu a Passos Coelho: "Tenho uma grande admiração por ele, tenho uma grande convicção que ele ainda tem muito a dar a Portugal".

Dizendo que o seu apoio a Passos se deve não apenas a amizade ou lealdade, mas "à convicção profunda", Montenegro sublinhou que o presidente do partido nunca o convidou para o cargo de líder parlamentar, o que foi confirmado em seguida.

"Nunca conheci líderes por empréstimo, os lideres são aqueles que se afirmam como tal", defendeu Passos, acrescentando que, apesar de nunca o ter convidado, Luís Montenegro foi o 'seu' líder parlamentar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.