Montenegro: Se tiver de avançar "não pedirei licença a ninguém"

O ex-líder parlamentar do PSD disse que no atual contexto Passos Coelho é a pessoa certa para liderar partido

Luís Montenegro garantiu ontem à noite na SIC Notícas que está ao lado de Pedro Passos Coelho, líder do PSD, mas avisou que se achar que deve avançar à liderança do partido o fará.

"Se algum dia entender que essa pessoa sou eu, não vou pedir licença a ninguém e avançarei", disse o ex-líder da bancada parlamentar social-democrata.

Montenegro defendeu que, "no atual contexto da vida do PSD, Pedro Passos Coelho é a pessoa com melhores condições para ganhar eleições - ganhou duas - e é a pessoa mais bem preparada para governar". E garantiu que, por isso mesmo, está ao lado do atual líder do partido.

"Neste ciclo que estamos a viver eu estarei indiscutivelmente ao lado de Pedro Passos Coelho, a ajudá-lo neste caminho de oposição e a poder contribuir para que ele reforce o nosso score eleitoral nas eleições legislativas de 2019", disse.

Na terça-feira à noite, durante um jantar de despedida, o então ainda líder parlamentar não escondeu a emoção quando se referiu a Passos Coelho: "Tenho uma grande admiração por ele, tenho uma grande convicção que ele ainda tem muito a dar a Portugal".

Dizendo que o seu apoio a Passos se deve não apenas a amizade ou lealdade, mas "à convicção profunda", Montenegro sublinhou que o presidente do partido nunca o convidou para o cargo de líder parlamentar, o que foi confirmado em seguida.

"Nunca conheci líderes por empréstimo, os lideres são aqueles que se afirmam como tal", defendeu Passos, acrescentando que, apesar de nunca o ter convidado, Luís Montenegro foi o 'seu' líder parlamentar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.