Montenegro: Se tiver de avançar "não pedirei licença a ninguém"

O ex-líder parlamentar do PSD disse que no atual contexto Passos Coelho é a pessoa certa para liderar partido

Luís Montenegro garantiu ontem à noite na SIC Notícas que está ao lado de Pedro Passos Coelho, líder do PSD, mas avisou que se achar que deve avançar à liderança do partido o fará.

"Se algum dia entender que essa pessoa sou eu, não vou pedir licença a ninguém e avançarei", disse o ex-líder da bancada parlamentar social-democrata.

Montenegro defendeu que, "no atual contexto da vida do PSD, Pedro Passos Coelho é a pessoa com melhores condições para ganhar eleições - ganhou duas - e é a pessoa mais bem preparada para governar". E garantiu que, por isso mesmo, está ao lado do atual líder do partido.

"Neste ciclo que estamos a viver eu estarei indiscutivelmente ao lado de Pedro Passos Coelho, a ajudá-lo neste caminho de oposição e a poder contribuir para que ele reforce o nosso score eleitoral nas eleições legislativas de 2019", disse.

Na terça-feira à noite, durante um jantar de despedida, o então ainda líder parlamentar não escondeu a emoção quando se referiu a Passos Coelho: "Tenho uma grande admiração por ele, tenho uma grande convicção que ele ainda tem muito a dar a Portugal".

Dizendo que o seu apoio a Passos se deve não apenas a amizade ou lealdade, mas "à convicção profunda", Montenegro sublinhou que o presidente do partido nunca o convidou para o cargo de líder parlamentar, o que foi confirmado em seguida.

"Nunca conheci líderes por empréstimo, os lideres são aqueles que se afirmam como tal", defendeu Passos, acrescentando que, apesar de nunca o ter convidado, Luís Montenegro foi o 'seu' líder parlamentar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.