Moita Flores : o pagamento da empresa Águas de Santarém à televisão pública foi legal

O então presidente da Câmara Municipal de Santarém e, por inerência, da Águas de Santarém, empresa que foi alvo de buscas está de "consciência tranquila" sobre o pagamento que a empresa fez à RTP

Moita Flores, presidente da Câmara Municipal de Santarém em 2012 e por inerência da Águas de Santarém, empresa que esta terça-feira foi alvo de buscas, disse à Lusa estar de "consciência tranquila" sobre o pagamento à RTP que "foi legal".

"Não há nada para explicar. Foi tudo legal e se fosse hoje fazia exatamente o mesmo", afirmou Moita Flores à Lusa, depois de se ver implicado numa investigação do Ministério Público que hoje realizou buscas à sede da RTP e nos serviços de empresa municipal Águas de Santarém para apurar em que circunstancias a empresa pagou duas faturas sobre os custos da gravação do programa "Justiça Cega" do qual era comentador residente e remunerado.

Moita Flores explicou que um dos programas "Justiça Cega", que debatia temas da atualidade relacionadas com a justiça, foi transmitido em direto nas instalações do Tribunal da Concorrência Regulação e Supervisão e que a empresa Águas de Santarém pagou à RTP pela produção.

Não há nada para explicar. Foi tudo legal e se fosse hoje fazia exatamente o mesmo

"Do ponto de vista jurídico, não há nada ilegal nesta parceria. A ideia foi dar a conhecer o novo tribunal", garantiu o antigo presidente da câmara, adiantando que, na altura, já não era remunerado como comentador residente do programa.

Para Moita Flores, a investigação deste caso começou com cartas anónimas "de cobardolas e gente pérfida", garantindo estar tranquilo porque "não houve nada de ilegal no pagamento".

O Departamento de Investigação e Ação Penal de Évora emitiu um comunicado referindo que estão a ser investigadas "as circunstâncias em que uma empresa municipal efetuou o pagamento de duas faturas relativas aos custos associados a gravação de um programa de informação da RTP em que era comentador residente remunerado um administrador da empresa municipal" e que não há arguidos.

Ler mais