Moedas entrega bolsas da José de Mello Saúde

José de Mello Saúde distinguiu oito projetos nas áreas de oncologia, oftalmologia, otorrinolaringologia, urologia e endocrinologia com bolsas de doutoramento. Instituição garante 100 mil euros para cinco bolsas em Medicina e mais 15 mil para três de Enfermagem

Pelo quarto ano consecutivo, a José de Mello Saúde atribuiu cinco bolsas de doutoramento em Medicina, no valor de 100 mil euros, um investimento em formação médica sem paralelo em Portugal que este ano se estende à Enfermagem, com a atribuição de mais três bolsas nesta área, no valor de 15 mil euros. A entrega teve lugar terça-feira às 11.00 no Centro Cultural de Belém, numa cerimónia presidida pelo Comissário Europeu da Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas.

Criadas em 2014, foram atribuídas até agora 23 bolsas, no valor global de 415 mil euros, o que o grupo justifica como sendo "uma aposta da José de Mello Saúde no progresso da Medicina e da Ciência no país, apoiando a investigação que se coloca ao serviço do doente".

Para Salvador de Mello, presidente do grupo, "o investimento no ensino e formação, na investigação clínica e na cooperação com as instituições universitárias devem ser prioridades estratégicas para o desenvolvimento da atividade de prestação de cuidados de saúde". "É vontade da José de Mello Saúde contribuir para a valorização e para a excelência dos seus profissionais, que são o seu principal ativo, incentivando à melhoria das suas áreas de conhecimento."

Salvador de Mello sublinhou mesmo que há vontade de "continuar a apostar numa investigação clínica que está ao serviço dos cuidados de saúde que prestamos nas nossas unidades, quer na rede CUF quer nos hospitais que gerimos em parceria público-privadas, como Braga e Vila Franca de Xira, e que traga inovação e avanços no tratamento dos doentes".

Oncologia e Oftalmologia entre os projetos vencedores

Avaliadas por um júri independente presidido por António Rendas, professor catedrático de Medicina, investigador e reitor cessante da Universidade NOVA de Lisboa, as Bolsas de Doutoramento em Medicina da José de Mello Saúde (JMS) em 2018 foram atribuídas a projetos de diferentes áreas de especialização. Na área de oncologia, nomeadamente do cancro da nasofaringe, foi distinguido Diogo Alpoim Costa, médico oncologista do Instituto CUF de Oncologia, que exerce atividade nos Hospitais CUF Descobertas e CUF Cascais pelo estudo "Utilidade clínica da quantificação do ADN e da expressão do ARN mensageiro da proteína oncogénica BARF-1 do vírus de Epstein-Barr, como fatores preditivos de resposta e de monitorização à terapêutica do carcinoma indiferenciado da nasofaringe - Estudo VEBiNASO".

Na área de oftalmologia, a bolsa seguiu para Arnaldo Santos Dias, oftalmologista do Hospital CUF Descobertas, pelo projeto "Manifestações oftalmológicas no lupus eritematoso sistémico: epidemiologia e neurodegeneração". Foram ainda atribuídas bolsas aos projetos do urologista Carlos Oliveira, do Hospital de Braga, com o projeto "Development of novel methods and techniques for endoscopic and video-assisted closure of viscerotomies"; Maria Caçador, Otorrinolaringologista do Hospital CUF Santo, pelo projeto "Correlação entre a avaliação vocal clínica, estroboscópica e acústica em doentes com patologia vestibular antes e após reabilitação vestibular"; e Sílvia Paredes, endocrinologista do Hospital de Braga, com o título "Knowledge, attitudes and practices of medical students, physicians and patients about metabolic syndrome".

As bolsas de doutoramento em Enfermagem, a cujo júri preside Fátima Faria, presidente do Conselho de Enfermagem da José de Mello Saúde, foram atribuídas pela primeira vez neste ano, tendo distinguido os trabalhos de investigação de Ana Cristina de Magalhães Rosas, Enfermeira do Hospital CUF Porto, com o projeto sobre o "Contributo do Modelo Touchpoints para os cuidados de enfermagem na transição para a parentalidade", Helena Martins, Enfermeira do Hospital de Braga com o trabalho "Toque Terapêutico em Neonatologia - Desenvolvimento de um modelo para a prática de enfermagem", e Sandra Paço, Enfermeira do Hospital CUF Infante Santo com o trabalho "Fundamentos do agir de enfermagem face aos problemas éticos de início de vida"

Criadas em 2014, foram atribuídas até à data 23 Bolsas de Doutoramento, no valor global de 415 mil euros, o que representa uma aposta da José de Mello Saúde no progresso da Medicina e da Ciência no país, apoiando a investigação que se coloca ao serviço do doente.

(Notícia atualizada a 3 de julho com os nomes e projetos vencedores)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)