Mobilidade geográfica pode eliminar horários zero

O ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, afirmou hoje, no parlamento, que o número de professores com horários zero, atualmente 662, "devem ser reduzidos a zero", o que poderá acontecer, se for aceite a proposta de maior mobilidade geográfica.

Nuno Crato acrescentou ainda que a manutenção dos ritmos de aposentações entre os professores dos quadros do Ministério da Educação e Ciência (MEC), atualmente entre as três a quatro mil por ano, pode ajudar esse objetivo, uma vez que permitirá a absorção destes docentes com horários zero, para os lugares deixados vagos.

"Para o ano, os horários zero podem desaparecer, se o sistema for fluído o suficiente para que os professores possam lecionar em áreas [geográficas] mais alargadas. Esta é a questão central que foi colocada aos sindicatos, e penso que muitos perceberam", declarou o ministro Nuno Crato, na Assembleia da República, no âmbito da audição regular que hoje decorreu na Comissão de Educação, Ciência e Cultura.

O ministro referiu que, até março deste ano, havia 662 docentes em horários zero, entre os 105 mil que compõem os quadros do MEC, e que estão a ser estudadas medidas, entre as quais a redução do número de Quadros de Zona Pedagógica (QZP), que definem a zona geográfica a que os professores a que a elas pertencem estão adstritos, para efeitos de colocação.

O Ministério apresentou, na passada semana, aos sindicatos, uma proposta inicial de redução dos atuais 23 QZP para seis, revendo depois a proposta para 10.

"A mobilidade especial só deverá ser aplicada em situações extremas, e pode ser evitada se houver a possibilidade no sistema de colmatar as falhas. Quanto mais espartilhado estiver o país, mais difícil será para os professores serem colocados", disse Crato, afirmando que nunca tinha garantido que a mobilidade para os professores não seria aplicada ao longo da legislatura.

O esclarecimento surgiu depois de ter sido confrontado, pelos deputados, com declarações suas, posteriores à divulgação do relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI), que admitia cerca de 50 mil despedimentos entre os professores, e nas quais garantiu que esse cenário não se punha para os docentes, e que seria uma irresponsabilidade.

"Disse que a mobilidade especial não estava aplicada aos professores no ano letivo em curso, e disse que estava a falar deste ano, não para sempre", disse hoje Nuno Crato, referindo-se a esclarecimentos seus prestados anteriormente.

Questionado pela deputada do Partido Ecologista Os Verdes Heloísa Apolónia, sobre o que mudou para uma mudança de posição relativamente à inclusão dos professores na mobilidade especial, Nuno Crato respondeu que a mudança foi "a modificação de uma lei geral, que está a ser discutida com os sindicatos".

"Não faz sentido haver contribuintes a pagar, para haver professores com horários zero. Não precisamos de inventar coisas artificiais para os ocupar. Precisamos é de criar mobilidade no sistema, para que se possam deslocar para uma escola onde tenham alunos e se sintam realizados", declarou o governante.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.