Misericórdia vende imóveis para amortizar dívida bancária

Misericórdia de Pedrógão Grande, norte do distrito de Leiria, vai vender quatro imóveis para amortizar a dívida bancária decorrente da construção da unidade de cuidados continuados, disse hoje à agência Lusa o seu provedor.

"A assembleia geral autorizou a venda de um apartamento no concelho de Cascais, uma casa, um prédio urbano com arrecadação e garagem, e um terreno em Valongo, Pedrógão Grande, bens que foram doados à Misericórdia, com o objetivo de realizar dinheiro para amortizar o empréstimo que fizemos para a construção da unidade de cuidados continuados", afirmou João Marques.

Segundo o responsável, a Santa Casa tem "um encargo bancário de um milhão de euros", referindo que "todas as receitas extraordinárias que a Misericórdia obtém destinam-se a amortizar o empréstimo ou para a manutenção de instalações".

A venda, por hasta pública, não está ainda marcada, referiu João Marques, adiantando que a prioridade da Misericórdia é a abertura da unidade de cuidados continuados, concluída desde o início de 2013.

O provedor explicou que a obra - instalações, equipamento e arranjos exteriores - teve um custo de cerca de dois milhões de euros, tendo obtido um financiamento do Ministério da Saúde de 630 mil euros.

"A unidade ainda não abriu por ordem do ministério, mas também decorrem neste momento algumas vistorias e temos estado a fazer um compasso de espera para a aquisição de alguns equipamentos, para não estarmos a investir dinheiro e continuar parada", explicou, garantindo: "Mas estamos em condições, desde que o Ministério da Saúde assim o entenda, de abrir".

Salientando a importância do investimento para aumentar a "oferta social", mas também para a criação de emprego no concelho, João Marques defendeu: "Numa região de baixa densidade demográfica, é na economia social que o concelho tem também de apostar".

No caso da unidade de cuidados, João Marques acrescentou que, "no mínimo, entre pessoal auxiliar e de saúde", prevê-se a contratação de 25 pessoas.

A Misericórdia de Pedrógão Grande tem 84 utentes em lar e mais 60 nos três centros de dia, na sede do concelho, Vila Facaia e Graça. Presta, igualmente, apoio domiciliário a 45 pessoas e, nas valências de creche e jardim-de-infância, tem 60 crianças.

Com 88 funcionários e dez avençados, a Santa Casa é, depois da Câmara Municipal, o maior empregador do concelho, informou o provedor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.