Ministro quer trazer Instituto da Mobilidade "para o século XXI"

Eduardo Feio, atual vereador da Câmara de Aveiro, vai presidir ao Instituto da Mobilidade e dos Transportes num processo de simplificação

O vereador da Câmara de Aveiro Eduardo Feio vai presidir ao Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) e liderar um processo de simplificação na renovação das cartas de condução, anunciou hoje o ministro do Planeamento e Infraestruturas.

Em audição na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, Pedro Marques revelou a intenção de acabar com uma "relação 'kafkiana' dos utentes com o IMT, adiantando que o Governo vai lançar um processo de simplificação no processo de atendimento na renovação de cartas de condução em 2016 e 2017 com "objetivos ambiciosos".

Nos próximos dias, será designado Eduardo Feio para liderar o organismo, que, realçou, "precisa de mudar e entrar no século XXI". O governante destacou que o escolhido para essa missão é "um gestor público reconhecido".

Eduardo Feio, vereador da Câmara de Aveiro, foi responsável por vários projetos de Planeamento, Infraestruturas e Mobilidade, quer a nível autárquico, quer na Administração Central.

O autarca liderou a Estrutura de Missão Lojas do Cidadão de Segunda Geração, experiência que será vertida no projeto de modernização do IMT, centrado no serviço ao cidadão com recurso às novas tecnologias.

O projeto prevê que o processo de emissão e renovação da carta de condução seja mais simples, rápido e cómodo para os automobilistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?