Ministro nomeia inspetor do Tribunal de Contas para Diretor do SEF

José António Teixeira Pinheiro Moreira, perito em gestão pública, é o novo diretor nacional adjunto do SEF, lugar vago desde a demissão da anterior direção, outubro do ano passado

José Moreira, inspetor do Tribunal de Contas, mestre em Economia e Políticas Públicas e licenciado em Economia pela Universidade Lusíada de Lisboa, é o novo adjunto de Carlos Moreira, o diretor nacional do SEF. O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, considerou, no seu despacho de nomeação, que José Moreira "possui reconhecida idoneidade, experiência profissional e formação exigidas para o exercício das funções em causa".,

O novo diretor nacional adjunto transita da Direção Geral do Tribunal de Contas e antes exerceu funções de "técnico especialista" no gabinete do secretário de Estado do Orçamento. Segundo a síntese curricular, publicada m Diário da República, José António Moreira iniciou a sua Carreira na então Direção-Geral das Contribuições e Impostos (atual Autoridade Tributária e Aduaneira), na carreira de Liquidador Tributário, posteriormente foi Técnico Superior de Orçamento e Conta da Direção-Geral do Orçamento (DGO). Exerceu funções de Inspetor e de Inspetor-Diretor na Inspeção-Geral do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAOT) na área do controlo financeiro e posteriormente exercia funções de Inspetor no Departamento de Auditoria II do Tribunal de Contas, área responsável pelo controlo da receita fiscal no âmbito do Parecer à Conta Geral do Estado.

Na sua formação académica destaca-se o seu mestrado em Economia e Políticas Públicas, pelo Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) e as suas pós-graduações em Finanças e Gestão do Setor Público, no Instituto de Direito Económico, Financeiro e Fiscal (IDEFF) da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, e em Contabilidade, Finanças Públicas e Gestão Orçamental, pelo ISEG da Universidade de Lisboa.

A direção do SEF estava apenas com um diretor-nacional adjunto, a inspetora Cristina Gatões, desde que a anterior direção, liderada por Luísa Maia Gonçalves, se demitiu em outubro de 2017. Com ela saíram os adjuntos Joaquim Pedro Oliveira e António Carlos Patrício.

Ler mais

Exclusivos

João Almeida Moreira

DN+ Cadê o Dr. Bumbum?

Por misturar na peça Amphitruo deuses, e os seus dramas divinos, e escravos, e as suas terrenas preocupações, o dramaturgo Titus Plautus usou pela primeira vez na história, uns 200 anos antes de Cristo, a expressão "tragicomédia". O Brasil quotidiano é um exemplo vivo do género iniciado por Plautus por juntar o sagrado, a ténue linha entre a vida e a morte, à farsa, na forma das suas personagens reais e fantásticas ao mesmo tempo. Eis um exemplo.