Ministro ironiza com o PSD e com o Diabo que "não apareceu"

Ministro do Planeamento e das Infraestruturas fez referência às palavras de Passos Coelho no ano passado

O Governo abriu hoje o debate, no parlamento, sobre os Programas de Estabilidade e de Reformas com um ataque ao PSD, afirmando que Portugal não teve resultados económicos maus e "o diabo não apareceu".

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, ironizou com as palavras do ex-primeiro-ministro e atual líder do PSD, Pedro Passos Coelho, quando anteviu dificuldades para o país num jantar com deputados, em julho de 2016, e disse: "Gozem bem as férias que, em setembro, vem aí o diabo."

"Anunciaram, porque verdadeiramente o desejavam, o Diabo em cada esquina, convencidos de que apenas as suas políticas, de austeridade e empobrecimento, poderiam ser o caminho para o país", afirmou Pedro Marques, aplaudido apenas pela bancada parlamentar do PS, partido do Governo.

Para "desalento de alguns, mas a satisfação dos portugueses, o Diabo não apareceu" e o que se assistiu foi, disse, à "retoma do investimento, a recuperação da economia e o crescimento do emprego".

O governante afirmou ainda que as reformas lançadas pelo executivo foram "a rota certa" e "estão a impulsionar a economia e o emprego e a melhorar a vida dos portugueses".

"Ao mesmo tempo, cumprimos e até superámos as metas orçamentais", declarou.

No seu discurso de menos de seis minutos, e em que dedicou metade a criticar a oposição, e em especial o PSD, Pedro Marques ainda disse estar à espera que Passos Coelho defenda o voto no PS, PCP e BE.

Era a referência do ministro socialista a uma entrevista de Passos em que este afirmou que passaria "a defender" o voto nos três partidos se a estratégia do executivo de António Costa resultasse.

De resto, Pedro Marques afirmou "os resultados são encorajadores" em resultados "das reformas estruturais" em curso.

E deu vários exemplos dessa estratégia, como a aposta na educação e no combate ao "défice das qualificações", "do pré-escolar aos 600 mil adultos que não podem ficar para trás".

Outro exemplo dado foi o reforço da "competitividade através da inovação, da ciência e do conhecimento nas empresas, como o Programa Interface, o Indústria 4.0 ou o StartUP Portugal".

"A recuperação dos rendimentos das famílias, a gratuitidade dos manuais no 1º ciclo, o combate ao insucesso escolar, o reforço da rede de cuidados continuados, a aposta no interior do país ou a promoção da cultura para todos são apenas algumas das iniciativas que estão a melhorar a qualidade de vida dos portugueses, de todos os portugueses", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.