Ministro garantiu abertura de novos concursos para promoções na PSP

Só para agentes principais vão abrir 1500 vagas. Ministro Eduardo Cabrita garantiu à ASPP que as carreiras vão ser descongeladas já este mês ou em abril com progressões pagas com retroativas a 3767 elementos

Os polícias e militares tinham exigido ao Governo, no dia 20 de fevereiro, uma resposta sobre o descongelamento das carreiras e até ameaçaram com ações de luta. O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, esteve esta manhã reunido com a Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP/PSP), a quem deu algumas das respostas que faltavam. Em primeiro lugar "vai haver progressões na carreira, pagas, ainda este mês ou em abril, com os retroativos em janeiro. Existem 3767 elementos que reúnem condições para beneficiarem já das progressões, garantiu o ministro", disse, em declarações ao DN, Paulo Rodrigues, presidente da ASPP.

O ministro da Administração Interna também garantiu que "vão ser abertos concursos em todas as categorias, onde se destaca 1500 vagas para agentes principais. Mas haverá também para os postos de agente coordenador, chefe, chefe principal, chefe coordenador e oficiais". No total estão previstas 2299 promoções.

Os outros sindicatos da polícia também vão estar reunidos hoje com Eduardo Cabrita. O dirigente sindical Paulo Rodrigues garante que "ainda não estão afastadas possíveis ações de protesto, vai depender da análise dos números que vamos fazer para assegurar que os critérios estão cumpridos".

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.