Ministro recusa avaliar prevenção de incêndios "em cima do joelho"

Pedro Marques assegurou esta terça-feira que se está a fazer "o melhor possível, em condições difíceis"

O ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, assegurou esta terça-feira que se está a fazer "o melhor possível, em condições difíceis", para enfrentar os incêndios florestais, recusando-se a avaliar "em cima do joelho" a atual prevenção de fogos.

O ministro Pedro Marques destacou "o grande esforço" dos bombeiros e da Proteção Civil no combate aos incêndios que lavram um pouco por todo o país, considerando que os meios existentes são "adequados para uma época de incêndios normal".

Porém, o governante reconheceu que, "em determinados anos e em determinados picos de calor, todos os meios são poucos face à emergência que ocorre com todo esse calor, com todas essas condições climatéricas".

"A palavra é de encorajamento e de agradecimento a profissionais incríveis e voluntários que estão por todo o país a fazer tudo para debelar o mais rapidamente possível estes incêndios que têm flagelado o continente, as regiões autónomas, em particular a Madeira", declarou o ministro, à margem da apresentação pública do Centro Interpretativo da Ponte 25 de Abril, em Lisboa.

Questionado sobre a atual prevenção de incêndios em Portugal, Pedro Marques frisou que existe legislação e fiscalização nesse sentido, referindo que a avaliação da prevenção existente não deve ser feita "no calor do momento".

"Fazer esse tipo de avaliação em cima do joelho não seria a boa forma de enfrentar o problema. A boa forma é primeiro resolvermos o que estamos a enfrentar, que é uma situação de emergência", expressou o ministro do Planeamento e Infraestruturas.

O governante assegurou que todas as avaliações sobre o quadro legal e o quadro de atuação vão ser feitas depois de ultrapassada esta "fase de emergência crítica".

Sobre a necessidade de cortar estradas, que no domingo deixou vários automobilistas parados durante horas na A1, na A44, na A29 e na A41, o ministro Pedro Marques disse que "foi por razões imperiosas de segurança que se determinou o encerramento temporário dessas autoestradas".

"O mais importante naquele momento era garantir as condições de seguranças, quer para aqueles que estavam no combate aos incêndios, quer em particular para aqueles que circulavam nas nossas autoestradas", reforçou o governante.

Durante o corte na A1, junto a Albergaria-a-Velha, no distrito de Aveiro, um casal distribuiu gratuitamente garrafas de água aos automobilistas que estavam parados nas vias rodoviárias, através da vedação da autoestrada.

"Queremos todos, sobretudo, ultrapassar esta situação e deixá-la para trás e acreditamos que os próximos dias o permitirão", referiu o ministro do Planeamento e Infraestruturas, acreditando que "com condições adequadas do ponto de vista climatérico e com o grande trabalho dos bombeiros" vai ser possível combater "rapidamente" os incêndios.

Largas centenas de operacionais das forças de segurança têm estado nos últimos dias, em que as temperaturas subiram, a combater incêndios florestais de grandes dimensões em diferentes zonas do país.

Os distritos de Aveiro, Viana do Castelo, Viseu e Porto têm motivado grandes preocupações entre as autoridades, havendo também uma operação significativa no Funchal, na Madeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.