Ministro do Ambiente defende que Metro de Lisboa está a funcionar "muito melhor"

"Sou um cliente assíduo do Metro de Lisboa e testemunho que está a funcionar muito melhor", disse João Matos Fernandes

O ministro do Ambiente defendeu esta terça-feira, no parlamento, que o Metro de Lisboa está a funcionar "muito melhor", indicando que, "a cada semana que passa, o número de composições está a aumentar" e a procura a crescer.

Em audição na Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, João Matos Fernandes respondeu, assim, às críticas do deputado do Bloco de Esquerda (BE) Carlos Matias, que disse que o Metro de Lisboa "continua a funcionar muito mal".

"Sou um cliente assíduo do Metro de Lisboa e testemunho que está a funcionar muito melhor", afirmou o ministro do Ambiente.

Em termos de melhorias no serviço de transporte, o governante destacou o aumento do número de composições a circular e o reforço da manutenção das escadas rolantes, em particular nas estações do Cais do Sodré e da Baixa-Chiado.

Para o deputado do BE Carlos Matias, o serviço prestado pelo Metro de Lisboa "continua extremamente deficiente", nomeadamente, devido aos atrasos.

"Até ao final de 2016 deveriam ter sido admitidos 30 maquinistas", lembrou o bloquista, referindo ainda que há falta de trabalhadores na manutenção das carruagens.

Em resposta ao deputado do BE, o ministro do Ambiente avançou que "o curso para camionistas vai começar agora mesmo", indicando que poderá sofrer uma interrupção devido ao período de férias, mas a partir de outubro o Metro de Lisboa vai dispor de "muito maior capacidade de operar".

Sobre o crescimento da procura no Metro de Lisboa, o governante João Matos Fernandes declarou que, "depois de ter crescido 10% em 2016", a empresa de transporte registou um aumento de 7% até maio deste ano.

Outra dos problemas levantados pelo deputado do BE foi relativo às obras na estação de Arroios, ao que o ministro declarou que "é difícil de entender" como é que esta obra ficou para trás, lembrando que a intervenção começa a 19 de julho e vai decorrer durante um ano e meio e "não há maneira" de reduzir a duração da obra.

De acordo com o Plano de Desenvolvimento Operacional da Rede do Metropolitano de Lisboa, as obras na estação de Arroios vão permitir o funcionamento de comboios com seis carruagens na Linha Verde e custarão mais de sete milhões de euros.

Até 2022, o Metropolitano de Lisboa vai ter mais duas estações - Estrela e Santos ---, estando previstas também estações nas Amoreiras e em Campo de Ourique, embora nestes dois casos sem uma data prevista de conclusão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.