Já foram abertos 16 concursos para integração de precários

O processo tem vindo a ser acusado de atrasos e o ministro das Finanças afirmou que "o Governo está a cumprir o objetivo de regularizar situações de precariedade até final do ano"

Mário Centeno disse hoje que já foram abertos 16 concursos para integração de trabalhadores precários nas áreas da presidência e modernização administrativa e na defesa nacional e que há 1.224 precários prontos para avançar para concurso.

"Neste momento, já estão abertos 16 concursos nas áreas da presidência e modernização administrativa e defesa nacional", afirmou Mário Centeno, no parlamento, em audição na comissão de trabalho.

O governante disse ainda, relativamente ao Programa de Regularização Extraordinária de Vínculos Precários na Administração Pública (PREVPAP), que até esta semana foram "deliberados 7.889 pareceres favoráveis pelo conjunto das comissões de avaliação bipartidas e 1.224 pareces favoráveis homologados referentes à administração direta e indireta do Estado, estando os serviços respetivos a preparar a abertura dos procedimentos concursais".

Estes dados comparam-se com os divulgados a semana passada, quando o governante disse, também no parlamento, que as comissões de avaliação tinham dado 'luz verde' à admissão de 7.844 trabalhadores e que em 854 casos já estavam reunidas as condições para que os concursos sejam abertos.

O processo de regularização de precários é dinâmico e os dados são novos a cada dia, à medida que as comissões de avaliação desenvolvem o trabalho.

O processo tem vindo a ser acusado de atrasos, tendo repetido hoje o ministro que "o Governo está a cumprir o objetivo de regularizar situações de precariedade até final do ano".

Mais de 31 mil trabalhadores pediram a regularização do seu vínculo ao Estado, no âmbito do PREVPAP, não havendo números definidos pelo Governo sobre quantos desses poderão ter lugar.

Em relação ao descongelamento das carreiras na Administração Pública, Mário Centeno admitiu que, em março, o número de trabalhadores com valorização remuneratória "venha, pelo menos, a duplicar".

O governante recordou que cerca de 40 mil trabalhadores viram as carreiras descongeladas entre janeiro e fevereiro, um número que foi considerado diminuto pelos sindicatos da Administração Pública, sobretudo dado o universo de trabalhadores que estão abrangidos pela medida.

Recorde-se que, aquando da apresentação da proposta do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), Mário Centeno disse que a medida deveria abranger cerca de 80% dos 550 mil trabalhadores da Administração Pública, ou seja, cerca de 440 mil trabalhadores.

O primeiro-ministro, António Costa, também já tinha anunciado que em abril serão cerca de 88 mil as carreiras descongeladas na função pública.

O descongelamento de carreiras da administração pública teve início em janeiro, mas a valorização salarial será feita em dois anos: Em janeiro de 2018 os funcionários públicos receberam 25% do valor da progressão a que têm direito e vão receber mais 25% em setembro. Em 2019, recebem mais 25% em maio e 25% em dezembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.