Centeno admite apoio a Montepio caso seja necessário

Mário Centeno disse que "o garante último da estabilidade financeira é o Governo" e, por isso, tem de haver disponibilidade para ajudar o Montepio

O ministro das Finanças, Mário Centeno, admitiu que o Estado pode vir a apoiar a Associação Mutualista Montepio, em caso de necessidade, e adiantou que o Novo Banco pode precisar de injeções de capital em 2019.

Em entrevista ao jornal Negócios, Mário Centeno disse que "o garante último da estabilidade financeira é o Governo, e dentro do Governo o ministro das Finanças e, portanto", tem de haver disponibilidade para o fazer (ajudar a Associação).

"Temos de ter, se e quando formos chamados a fazê-lo, se formos chamados a fazê-lo, princípios de orientação, e esses são os mesmos que temos feito até aqui e é evidente que precisamos de olhar para o sistema financeiro como um todo, com a mesma atitude que temos feito até agora, mas também com a certeza adicional de que está hoje muito mais robusto do que há uns anos", disse.

Mário Centeno reiterou que o Novo Banco "pode" voltar a precisar de injeções de capital no próximo ano, "mas significativamente inferior a 2018"

O ministro das Finanças sublinhou que o Governo "tem de estar preparado para tomar as medidas de política económica que garantam que a recuperação do país permita uma recuperação sustentada de todas as instituições empresariais, de solidariedade, que sofreram ao longo dos anos, e com a crise, também internacional, uma decrescente dificuldade".

Na entrevista, Mário Centeno reiterou que o Novo Banco "pode" voltar a precisar de injeções de capital no próximo ano, "mas significativamente inferior a 2018".

Para este ano o empréstimo do Estado ao Fundo de Resolução por causa do Novo Banco "ainda não está fechado, mas andará em torno dos 450 milhões de euros

"A expectativa é que as injeções de capital tenham um perfil decrescente muito significativo no tempo e que a existir, e pode existir, nova chamada de capital em 2019, ela seja significativamente inferior, muito significativamente inferior, a 2018", disse.

O governante disse também que para este ano o empréstimo do Estado ao Fundo de Resolução por causa do Novo Banco "ainda não está fechado, mas andará em torno dos 450 milhões de euros".

"Esse é apenas um empréstimo... O 'apenas' aqui é relativo. É um empréstimo do Estado ao Fundo de Resolução que é uma entidade das administrações públicas e por isso não tem impacto no défice", disse.

Na entrevista, Mário Centeno destacou também que o Governo ainda não tem data para apresentar a sua proposta final para a supervisão do sistema financeiro.

O ministro disse que "tem estado a trabalhar nisso mais ativamente nas últimas semanas", mas não se compromete com um calendário.

"Não tenho uma data para dar neste momento", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.