Ministro da Saúde recusa suspender taxas moderadoras nos centros de saúde

Secretário-geral do PS propôs isenção do pagamento de taxas moderadoras para os utentes com doença aguda que recorram às urgências do centro de saúde.

O ministro da Saúde, Paulo Macedo, defendeu queo perfil dos utentes que procuram as urgências não sofreria alterações por haver ou não isenção do pagamento de taxas moderadoras.

Paulo Macedo respondia desta forma à proposta, feita hoje pelo secretário-geral do PS, António Costa, de isenção do pagamento de taxas moderadoras para os utentes que recorrem às urgências dos centros de saúde com doença aguda, medida que defendeu ser extraordinária e temporária.

"A Direção Geral de Saúde (DGS) já se pronunciou sobre isso. Não há qualquer motivo, técnico ou clínico, que altere o perfil da procura, por haver ou não isenção das taxas [moderadoras]", disse o governante no final de uma visita ao Hospital Amato Lusitano (HAL) de Castelo Branco.

O ministro da Saúde recordou que nos números da execução orçamental do ano de 2014, hoje conhecidos, verificou-se que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) tem "contas equilibradas".

"Temos uma diminuição do valor das taxas moderadoras. Ao contrário do que propôs a 'troika', não aumentamos as taxas, inclusive elas diminuíram", sublinhou.

O governante sublinhou que, nos cuidados primários, o valor das taxas moderadoras é ainda mais diminuto.

"As taxas não são uma razão que altere o perfil de procura de serviços e de oferta de serviços. Relembro que, para além da maioria da população estar isenta [do pagamento de taxas moderadoras], designadamente os mais idosos, ninguém fica por atender por não ter dinheiro para as taxas moderadoras", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?