Ministro da Saúde declarou extinto surto de legionella

O ministro da Saúde declarou nesta sexta feira extinto o surto de 'legionella', que começou no passado dia 07 e provocou 336 doentes e dez mortos, apesar de ainda poderem ocorrer mais óbitos.

No final da última reunião da 'taskforce' constituída para acompanhar o surto de 'legionella' em Vila Franca de Xira, o ministro Paulo Macedo sublinhou a resposta dos hospitais que "trataram mais de 300 pneumonias", sem que tal afetasse a produção normal destas unidades de saúde.

Segundo Paulo Macedo, os resultados laboratoriais agora divulgados reforçam a informação obtida anteriormente que apontam para uma relação entre as bactérias encontradas numa torre de refrigeração da empresa Adubos de Portugal e as recolhidas para análise de doentes.

Trata-se de "uma informação que confirma todas as outras que já tivemos, em relação à fonte de emissão", disse.

Paulo Macedo ressalvou que ainda poderão ser conhecidos novos dados, uma vez que ainda há análises a decorrer.

A doença do legionário, provocada pela bactéria 'Legionella pneumophila', contrai-se por inalação de gotículas de vapor de água contaminada (aerossóis) de dimensões tão pequenas que transportam a bactéria para os pulmões, depositando-a nos alvéolos pulmonares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?