Ministro da Saúde declarou extinto surto de legionella

O ministro da Saúde declarou nesta sexta feira extinto o surto de 'legionella', que começou no passado dia 07 e provocou 336 doentes e dez mortos, apesar de ainda poderem ocorrer mais óbitos.

No final da última reunião da 'taskforce' constituída para acompanhar o surto de 'legionella' em Vila Franca de Xira, o ministro Paulo Macedo sublinhou a resposta dos hospitais que "trataram mais de 300 pneumonias", sem que tal afetasse a produção normal destas unidades de saúde.

Segundo Paulo Macedo, os resultados laboratoriais agora divulgados reforçam a informação obtida anteriormente que apontam para uma relação entre as bactérias encontradas numa torre de refrigeração da empresa Adubos de Portugal e as recolhidas para análise de doentes.

Trata-se de "uma informação que confirma todas as outras que já tivemos, em relação à fonte de emissão", disse.

Paulo Macedo ressalvou que ainda poderão ser conhecidos novos dados, uma vez que ainda há análises a decorrer.

A doença do legionário, provocada pela bactéria 'Legionella pneumophila', contrai-se por inalação de gotículas de vapor de água contaminada (aerossóis) de dimensões tão pequenas que transportam a bactéria para os pulmões, depositando-a nos alvéolos pulmonares.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.