Ministro da Defesa diz que independência se protege fora de fronteiras

Azeredo Lopes discursou na cerimónia comemorativa do 1.º de Dezembro, na Praça dos Restauradores, em Lisboa

O ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, sustentou que hoje a proteção da independência se faz fora das fronteiras nacionais e na forma como o país é olhado, lembrando a "obrigação" de salvaguardar uma liberdade que "é frágil".

A independência nacional "também é construída na forma como os outros nos olham", na forma como garantimos a defesa própria" e na forma "como, muito mais, somos produtores efetivos de paz e segurança globais", sustentou Azeredo Lopes, no seu discurso na cerimónia comemorativa do 1.º de Dezembro, na Praça dos Restauradores, Lisboa.

O ministro da Defesa discursava na cerimónia comemorativa do 1.º de Dezembro, na Praça dos Restauradores, Lisboa, depois da intervenção do presidente da câmara da capital, Fernando Medina, e à qual assistiram o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa, o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, entre outras individualidades.

O ministro da Defesa considerou que "é bom" que os portugueses possam aproveitar, "com gratidão" a liberdade e a independência" que foram legadas, mas frisou que essa "liberdade é frágil".

"Em 1640, ficámos a dever a poucos a liberdade de muitos e de muitas gerações sucessivas. Neste nosso país que temos a felicidade de ser pacífico e muito seguro, e que assim construímos, nesta Europa que queremos de paz perene, inclusiva, tolerante e plural e de acolhimento, é bom que aproveitemos com gratidão a liberdade e a independência que nos foram legadas", disse.

Por outro lado, considerou que "de forma prudente e avisada", não se deve esquecer que "essa liberdade é frágil" e lembrou a "obrigação fundamental de a entregar, pelo menos assim tão segura e pacífica".

Tal como na I Guerra Mundial, Portugal combateu em La Lys, disse, hoje "aqueles que enfrenta, o perigo em Bangiui ou em Bocaranga, na RCA (República Centro Africana) estão a garantir a nossa defesa".

"Ou no Mali, a bordo de um C-130. Ou perto de Bamako, onde perdeu a vida, já em junho deste ano, o sargento-chefe Benido. Ou, antes, na Bósnia, no Líbano ou no Mediterrâneo, ou na Lituânia. Ou, dentro em breve no Afeganistão. Ou, em Bensmayah, no Iraque", enumerou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.