Ministro da Agricultura anuncia 20 novas equipas de sapadores florestais

O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, anunciou na segunda-feira à noite a formação de 20 novas equipas de sapadores florestais e o reequipamento de outras 44.

"Não foram criadas praticamente equipas [de sapadores florestais] nos últimos anos. Este ano, criaremos 64 equipas, 20 novas que serão formalizadas dentro de poucos dias e 44 no outono, para reequipar aquelas que foram equipadas por mim há 15 anos", afirmou o ministro numa entrevista à SIC Notícias.

Na opinião do ministro, estas equipas criadas quando teve a pasta da tutela, entre 1998 e 2002, "têm viaturas a cair de podre porque nunca mais houve um esforço de reinvestimento".

"Não só criei as primeiras 100 equipas há quase 15 anos, como cheguei, anos depois, e vi que elas estavam praticamente obsoletas", advogou.

O ministro elencou também que "17 anos depois, existem 240" destas equipas, o que constitui "metade do que estava previsto para a legislatura seguinte".

Luís Capoulas Santos foi secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, de 1995 a 1998, e ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas entre 1998 e 2002.

O governante explicou que cada equipa é constituída por "cinco elementos e uma viatura todo-o-terreno".

Apontando que "um concurso público internacional nunca leva, sobretudo quando há reclamações, menos de um ano", Capoulas Santos acrescentou que "foi possível fazer isso em muito menos tempo", e por isso "essa promessa está cumprida".

Já relativamente à "reforma da floresta" proposta pelo Governo, o ministro afirmou "não ter dúvidas dos seus resultados".

Capoulas Santos voltou a defender também um "consenso nacional pluripartidário, para que não venha um outro Governo qualquer a seguir, e que reverta tudo o que está a ser feito agora e que é trabalho para uma, duas, três gerações".

Segundo o governante, esta reforma vai resultar "num país com uma floresta mais ordenada, com uma floresta mais gerida e com uma floresta sem abandono".

"Trata-se de 12 diplomas, sete estão publicados no Diário da República, depois promulgados pelo Presidente da República, e outros cinco foram remetidos oportunamente ao parlamento, e aguardam que o parlamento decida", acrescentou.

Questionado sobre a responsabilidade relativamente aos incêndios que lavram desde sábado, e que já provocaram 64 mortos e 135 feridos, Luís Capoulas Santos foi taxativo: "Não é a mim que me compete autoavaliar-me. [...] Tenho muito orgulho nas funções que tenho desempenhado".

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."