Ministro ataca privatização da TAP feita pelo anterior Governo

Se o Executivo não tivesse renegociado a privatização, recuperando o controlo estratégico da empresa, agora, com esta decisão do regulador, "seria bem pior para a TAP"

A venda de 61% da TAP a David Neeleman e Humberto Pedrosa pode não cumprir as regras europeias de controlo acionista, o que levou o ministro do Planeamento e das Infraestruturas a sublinhar que o PS e o atual Governo tinham razão em criticar a pressa e o modo como foi privatizada a transportadora aérea. Pedro Marques defendeu que, se o Executivo não tivesse renegociado a privatização, recuperando o controlo estratégico da empresa, agora, com esta decisão do regulador, "seria bem pior para a TAP".

Segundo o ministro, a TAP vai continuar "a fazer a sua gestão normal e a sua operação diária, os portugueses serão servidos pela TAP e continuará a contribuir para a economia nacional". Pedro Marques insistiu que esta decisão da ANAC (Autoridade Nacional da Aviação Civil) não obrigará a "nova negociação" porque implica com a privatização decidida pelo Governo anterior. "Esta decisão - nunca nos esqueçamos - tem a ver com a fase anterior de privatização, a privatização feita pelo Governo do PSD/CDS."

Neste ponto, o ministro - que falou à margem das jornadas parlamentares do PS, em Vila Real - deixou um remoque a Passos Coelho: "Agora que o líder do PSD anda à procura da social-democracia, que perdeu há quatro anos, é muito evidente que aquela opção privatizadora de tudo, custe o que custar, depois de demitido, podia ter demasiadas consequências graves para o país. Ainda bem que fizemos a negociação em relação à TAP, ainda bem que foi possível substituir o Governo anterior em tempo e esta privatização não avançar naqueles estritos termos."

Também por isto, apontou o governante, "não vai ter que haver nova negociação porque não implica com partes dessa nova negociação seguramente". O que fez o atual Governo, disse, foi recompôr "a estrutura de capital, a estrutura de governação e aquilo que foi negociado no memorando de entendimento entre o Estado e os acionistas privados teria sempre de ser objeto de nova notificação à ANAC". Aliás, antecipou Pedro Marques, o Governo vai "analisar o parecer (que é extenso)" para ver "em que medida podemos avançar e queremos avançar com a concretização desta nova fase que desenvolvemos. Se não tivéssemos conseguido concluir este Memorando estaríamos numa situação muito mais complicada".

Para os próximos três meses, "a TAP vai viver mantendo a sua gestão normal, sem fazer alterações estruturais, que de qualquer forma não seriam substanciais na fase em que nos encontramos, porque estaríamos nesta fase a negociar a alteração dessa privatização feita pelo Governo PSD/CDS - as alterações de detalhe, se quiser assim - uma vez que já tínhamos definido que ia haver uma nova estrutura de capital e que ia haver uma nova administração a controlar aquilo que é estratégico na TAP".

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.