Ministra da Administração Interna recebe SEF esta tarde

Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) tem agendada greve de dois dias a começar quinta-feira.

A ministra Constança Urbano de Sousa recebe o sindicato do SEF nesta quarta-feira, véspera do início da greve de dois dias, confirmou fonte oficial ao DN.

A greve dos inspetores do SEF, que deverá afetar particularmente os aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, tem por base a exigência de mais recursos humanos e materiais.

O início da reunião está previsto para as 15:30, estando previsto que a governante e o sindicato façam declarações no final.

O Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do SEF, cuja greve já levou a ANA a alertar os passageiros para chegarem com pelo menos quatro horas de antecedência aos aeroportos nos dois dias da greve, tem exigido a admissão de mais 200 inspetores para fazer face às exigências de serviço e que têm causado atrasos significativos no controlo de passaportes dos turistas.

A tutela já anunciou ir contratar mais 100 inspetores em 2018 por concurso externo, depois de 13 anos sem lançar qualquer um.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.