MP requer julgamento de vogal do Metro de Lisboa por abuso de poder

Arguido tinha como intenção beneficiar a empreiteira, na qual um familiar seu "exercia funções de diretor"

O Ministério Público requereu esta quarta-feira o julgamento de um vogal do Conselho de Administração do Metropolitano de Lisboa pela prática do crime de abuso de poder, segundo uma nota publicada na Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

O crime de abuso de poder ocorreu no decurso da empreitada "Execução dos toscos entre a Estação do Oriente e a Estação do Aeroporto, da Linha Vermelha do Metropolitano de Lisboa".

De acordo com uma nota da PGDL, o arguido deu indicações às entidades responsáveis para se absterem da aplicação de uma multa por atrasos na obra, "provocando o atraso da tramitação de aplicação da multa em causa" e, com a mesma finalidade, "encomendou um parecer jurídico no sentido negativo, cujos custos foram suportados pela Metropolitano E.P.E.".

O arguido "ordenou ainda, aos órgãos competentes que elaborassem e assinassem os autos de receção da obra, apesar de existirem vários trabalhos por concluir, ocultando posteriormente esta situação da nova administração da Metropolitano E.P.E.", lê-se na nota da PGDL.

De acordo com os indícios recolhidos, a PGDL refere ainda que o arguido "agiu do modo apurado em prejuízo do Metropolitano de Lisboa e com o propósito de beneficiar a empreiteira, na qual um seu familiar exercia funções de diretor".

Para a PGDL, "ficou suficientemente indiciado" que o arguido "impediu a aplicação das multas contratualizadas para as situações de incumprimento dos prazos previstos por motivo imputável ao empreiteiro, não obstante a existência de pareceres e uma ordem do Presidente do Conselho de Administração do Metropolitano de Lisboa E.P.E., em sentido contrário".

A pessoa em questão tinha à data dos factos sob a sua alçada a Supervisão e Coordenação da Direção de Gestão de Infraestruturas, da Direção de Projetos e Obras da Expansão e Modernização da Rede e da Direção de Estudos, Planeamento, Orçamento e Controlo de Gestão, na vertente da Gestão e Projeto de Obra.

A investigação foi dirigida pela 9ª secção (atual secção Distrital) do DIAP de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).