Ministério Público abre inquéritos a mortes por atropelamento em Albufeira

A Procuradoria da Comarca de Faro refere que os dois atropelamentos representam "factos suscetíveis de integrarem crimes de homicídio por negligência"

O Ministério Público abriu hoje dois inquéritos para investigar as mortes por atropelamento verificadas hoje de madrugada e no domingo em Albufeira, no Algarve, anunciou hoje a Procuradoria da Comarca de Faro.

O inquérito vai ser conduzido pela secção de Albufeira do Departamento de Investigação e Ação Penal de Faro, depois de o Ministério Público ter considerado que os dois atropelamentos, um de um homem de 61 anos e outro de uma idosa de 81, representam "factos suscetíveis de integrarem crimes de homicídio por negligência", precisou a Procuradoria num comunicado.

Um dos atropelamentos deu-se, segundo a mesma fonte, "às 07:20 de domingo, na Avenida dos Descobrimentos, junto à rotunda dos golfinhos", sendo a vítima "uma mulher de 81 anos de idade, residente em Albufeira", enquanto o outro "ocorreu às 00:10 desta segunda-feira, na Avenida da Liberdade, sendo a vítima mortal "um homem de 54 anos de idade, de nacionalidade britânica".

Neste caso, "o condutor do veículo, de nacionalidade francesa, deixou o local sem procurar ajudar a vítima. Posteriormente, foi intercetado pela Guarda Nacional Republicana e apresentava excesso de álcool no sangue, tendo sido detido", revelou a Procuradoria de Faro.

Fonte da GNR disse hoje de manhã à agência Lusa que um britânico tinha morrido de madrugada após um atropelamento seguido de fuga numa passadeira de uma das principais avenidas de Albufeira.

A mesma fonte disse na ocasião que a vítima tinha 61 anos - e não 54, como agora indica o Ministério Público - e estava acompanhada do filho de 22 anos, tendo ainda sido transportada para o Centro Saúde de Albufeira, mas acabou por morrer.

Além das equipas de socorro, no local do incidente esteve o Núcleo de Investigação de Crimes em Acidentes de Viação (NICAV).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.