Ministério garante pagamento de bolsas esta semana

O Ministério da Educação e Ciência confirmou hoje estar atrasado o pagamento de algumas bolsas de estudo de estudantes universitários referentes ao mês de julho, embora assegurando que é um número pequeno e será pago em breve.

A grande maioria dos bolseiros recebeu a 26 de julho, mas a alguns ainda não foi processado o pagamento, o que deverá acontecer ainda esta semana, disse à agência Lusa fonte do gabinete do ministro Nuno Crato.

O atraso, disse, "tem a ver com os fundos de onde provêm as verbas" e não são devido a qualquer decisão, nem a falta de verba, acrescentou.

Este ano foi a única vez que se registou atraso no pagamento de bolsas a estudantes universitários, e coincidiu com o último dos dez meses em que é paga a prestação, reconheceu a mesma fonte oficial, e disse à Lusa uma bolseira, numa mensagem de correio eletrónico, na qual alertava para a situação.

Números divulgados pelo Governo anteriormente indicam que este ano o número de bolseiros é de cerca de 56 mil, valor que revela uma descida em relação aos últimos anos para números semelhantes aos registados em 2000.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.