Ministério da Educação reafirma que mais de 3000 professores vão entrar para os quadros

Fenprof diz que faltam mil lugares nas listas do concurso

O Ministério da Educação (ME) garantiu hoje que vão entrar nos quadros mais de três mil professores, como previsto no processo de vinculação extraordinária, em resposta à Fenprof, que diz que faltam mil lugares nas listas do concurso.

"As listas publicadas a 23 de maio são listas provisórias e decorre o prazo de reclamação. O Ministério mantém que este ano vincularão mais de 3.000 docentes", refere o ME na curta resposta enviada à Lusa a propósito do comunicado de hoje da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), que afirma que as listas do concurso de vinculação extraordinário eliminam cerca de 1.000 lugares dos mais de 3.000 previstos no processo.

"As listas provisórias de ordenação, relativas aos concursos de professores, foram publicadas na passada semana. Entre estas, contam-se as referentes ao concurso de integração (vinculação) extraordinário de docentes. Da sua verificação constata-se que o Ministério da Educação, afinal, não abriu o número de vagas correspondente ao requisito legalmente estabelecido", refere a federação sindical em comunicado.

A Fenprof diz que "não se conforma com esta situação e exige que o Ministério da Educação respeite a lei que ele mesmo impôs",

Segundo as contas da Fenprof há 640 vagas em falta nos grupos de recrutamento já analisados pela estrutura, que admite que, depois de concluída a verificação das listas, o número possa subir.

A estas é preciso ainda juntar, acrescenta a federação, as centenas de lugares que podem encerrar devido às regras do concurso de vinculação extraordinária.

A Fenprof exige agora que uma reunião pedida à secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, se realize "com caráter de urgência".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.