Ministério contrata cerca de 3200 professores

O Ministério da Educação publicou esta tarde as listas com colocações de professores. Este ano foram contratados 3256 docentes, quase metade do ano passado.

As listas mostram que em vários grupos de recrutamento, como Educação Visual e Tecnológica ou Inglês do 3.º ciclo, não houve nenhuma contratação. Somando-se as renovações, ficam nas escolas cerca de 3256 contratados. No ano passado, nesta mesma altura, tinham sido 5800.

Vale a pena lembrar que, segundo dados do ministério, quase 40 mil concorreram para dar aulas, o que significa que muitos milhares não vão conseguir lugar nas escolas.

Por outro lado, o número de docentes dos quadros sem turmas (sem componente letiva) após as colocações na Mobilidade Interna ficou muito abaixo dos números de anos anteriores, tal como o ministro tinha anunciado ontem: apenas 917 ficaram sem horário.

As colocações, que abrangem os professores dos quadros em mobilidade e os contratados, são conhecidas dois dias antes do início oficial do ano letivo, que abre entre quinta-feira e segunda-feira.Os docentes têm até ao final de quinta-feira para aceitar a colocação e mais um dia para se apresentarem nas escolas.

As listas podem ser consultadas aqui.

(Corrigida às 20.15 com números oficiais do Ministério da Educação e Ciência)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.