Obras no Hospital de Santarém serão retomadas "em breve"

O governo considera ainda reforçar os fundos disponíveis para a empreitada, interrompida em meados de abril

As obras no bloco operatório do Hospital de Santarém devem ser retomadas "muito em breve", considerando o reforço dos fundos disponíveis no valor do contrato para instalação do sistema de aquecimento, ventilação e ar condicionado, assegurou o Governo.

Na resposta a um requerimento apresentado pelos deputados do PSD eleitos por Santarém, Duarte Marques, Nuno Serra e Teresa Leal Coelho, o Ministério da Saúde afirma que o Tribunal de Contas, cuja recusa de visto obrigou à interrupção das obras em meados de abril, foi "imediatamente informado" do reforço financeiro destinado a este contrato, "a fim de permitir a reavaliação do processo de obtenção do visto, que se aguarda".

Na questão entregue pelos deputados social-democratas no parlamento em 18 de maio, cerca de um mês após a suspensão das obras do bloco operatório do Hospital Distrital de Santarém (HDS), estes lamentavam que o problema não tivesse ainda sido ultrapassado, "apesar das garantias dadas pelo ministro da Saúde em reunião da Comissão de Saúde na Assembleia da República".

A recusa de visto foi fundamentada pelo Tribunal de Contas devido a "recursos próprios negativos", tendo em conta a cláusula da lei 8/2012 (dos compromissos e pagamentos em atraso) que impede a assunção de novos compromissos quando exista dívida.

Os deputados lembravam que o bloco operatório do HDS "é um recurso fundamental para toda a região do Ribatejo e o atraso nestas obras tem consequências desastrosas".

Considerando que o HDS "espelha bem" a governação no setor da saúde, onde "há boa vontade, existem muitas promessas de futuro, mas tudo fica por fazer ou em suspenso por falta de autorização do ministro das Finanças", os deputados recordam que o próprio ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, garantiu que a questão seria resolvida "rapidamente" em articulação com Mário Centeno.

"Os deputados subscritores desta pergunta parlamentar estranham que ao fim de trinta dias, e apesar de assumido pelo Governo que a situação seria rapidamente ultrapassada, as obras no bloco operatório do Hospital Distrital de Santarém se mantenham suspensas", afirmava o requerimento.

Para os deputados, o "estrangulamento" provocado pelas Finanças no Serviço Nacional de Saúde e os "constantes atrasos nos pagamentos aos hospitais" vem "colocar a nu o subfinanciamento" do setor.

As perguntas sobre a situação financeira do HDS e sobre se está previsto algum aumento de capital deste hospital e em que montante ficaram sem resposta no ofício remetido pelo gabinete do ministro da saúde no final da semana passada e agora divulgado pelos deputados do PSD.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.