Mineiro Aires: "Portugal é uma ilha energética"

Portugal deve criar condições para, além de investir em novas infraestruturas, conseguir retirar valor das já existentes, diz o bastonário da Ordem dos Engenheiros, Carlos Mineiro Aires.

"Temos uma produção energética e solar fortíssimas e não conseguimos passar para lado nenhum. Portugal é uma ilha energética", disse esta manhã o responsável, que participava no debate sobre o futuro de Portugal na Conferência 'Infraestruturas', pela ocasião do 153º aniversário do Diário de Notícias.

O bastonário da Ordem dos Engenheiros assume que na energia "os Pirenéus são uma barreira", mas o maior bloqueio de Portugal é outro: "Falta-nos em muitos aspetos o planeamento", advertiu. "Orgulho-me de estar num país onde temos pessoas dotadas de capacidade, inteligência e análise muito grande. Não está aí a questão. Pecamos por falta de ambição, capacidade de influência", adiantou, lembrando que "Portugal devia em determinadas questões, e para os engenheiros é difícil de perceber, ter linhas mestras".

O responsável salientou que "devíamos ter uma visão completamente clara sobre isto", até porque "estamos a atravessar uma época em que não haverá robôs na sala, mas os desafios para o emprego e crescimento são importantes".

Mineiro Aires destacou ainda que num plano de investimentos mais alargado é importante não descurar da manutenção das infraestruturas já existentes sob pena de "os ativos perderem valor". E advertiu que "o Plano Juncker é virtuoso porque a Europa estava em regressão, mas é uma dívida, não é um financiamento".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.