Militar da GNR acusado de homicídio por negligência

O coletivo de juízes do Tribunal Judicial de Porto de Mós alterou, esta terça-feira, a qualificação jurídica do crime de que estava acusado um militar da GNR, que responde agora por um crime de homicídio por negligência.

O militar da GNR estava acusado pelo Ministério Público (MP) de homicídio qualificado de um homem suspeito de ter furtado cobre, mas o tribunal entendeu proceder à alteração da qualificação do crime para homicídio por negligência, cuja pena máxima é de três anos.

O juiz presidente referiu ainda que se procedeu à alteração não substancial dos factos, enumerando vários acontecimentos que o tribunal passou a ter em conta.

A leitura do acórdão, que estava agendada para esta terça-feira foi, por isso, adiada para o dia 16 de abril, uma vez que o advogado do arguido não prescindiu do prazo a que tem direito.

O advogado Mário Diogo referiu que irá "aguardar serenamente o desenvolvimento do processo".

Já o arguido, José Pinto, disse não querer "especular sobre o que vai acontecer", acrescentando que será "mais uma batalha" que vai ter de enfrentar e que está a passar "desde a altura dos factos".

O caso remonta a outubro de 2010, após uma perseguição policial na freguesia de Reguengo do Fétal, no concelho da Batalha, que resultou na morte de um dos ocupantes da viatura na sequência de disparos realizados pelo militar, segundo o MP.

No despacho de acusação pode ler-se que um dos homens que estava em fuga "não imobilizou a viatura (...), prosseguiu marcha, raspando o muro, e uma das rodas passou por cima do pé direito" do militar.

O GNR, que não estava de serviço, foi chamado de urgência para ajudar nas diligências, após o alerta de furtos de "dois lanços de cabos de cobre da Portugal Telecom [PT], avaliados em 843,03 euros".

O MP considera que o GNR estava "ciente de que não se verificava, no caso concreto, nenhuma das situações legitimadoras do recurso a arma de fogo por agente policial, por tal recurso se revelar desnecessário, desproporcional e desadequado".

A acusação admite que o condutor da viatura "agiu de modo voluntário, livre e consciente, com intenção de molestar o corpo e a saúde" do militar, "e de lhe provocar lesões verificadas, causando-lhe dor e sofrimento físico", e que este "cometeu um crime de furto simples e um crime de ofensa à integridade física simples".

Ambos os ocupantes da viatura e que eram perseguidos pela GNR por suspeita de terem furtado os lanços de cabos de cobre da PT possuíam cadastro criminal e tinham cumprido penas de prisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.