Milhares de fora por causa da Prova de Avaliação

Alguns milhares de professores foram este ano excluídos dos concursos por não terem realizado ou por terem reprovado na Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades (PACC).

O alerta vem da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), que diz que 96,5% das exclusões das lista de colocados na contratação inicial, divulgadas esta terça-feira à tarde, estão relacionadas com a PACC.

Alguns exemplos: 2189 professores do 1.º ciclo ficaram de fora por não cumprirem este requisito; na Educação Pré-Escolar foram 739; em Português do Secundário 508.

A Fenprof diz que a PACC é "ilegal" e que irá "apoiar todos os seus associados que pretendam recorrer desta ilegalidade, designadamente nos tribunais".

A PACC foi realizada pela primeira vez no último ano letivo, com a intenção de produzir efeitos já neste concurso. Depois da primeira tentativa, em dezembro, ter sido alvo de vários boicotes, o Ministério da Educação e Ciência insistiu e realizou uma segunda chamada em julho.

Um total de 10 220 professores fizeram a prova, dos cerca de 13 mil inscritos - 1473 reprovaram.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?