Milhares de fora por causa da Prova de Avaliação

Alguns milhares de professores foram este ano excluídos dos concursos por não terem realizado ou por terem reprovado na Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades (PACC).

O alerta vem da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), que diz que 96,5% das exclusões das lista de colocados na contratação inicial, divulgadas esta terça-feira à tarde, estão relacionadas com a PACC.

Alguns exemplos: 2189 professores do 1.º ciclo ficaram de fora por não cumprirem este requisito; na Educação Pré-Escolar foram 739; em Português do Secundário 508.

A Fenprof diz que a PACC é "ilegal" e que irá "apoiar todos os seus associados que pretendam recorrer desta ilegalidade, designadamente nos tribunais".

A PACC foi realizada pela primeira vez no último ano letivo, com a intenção de produzir efeitos já neste concurso. Depois da primeira tentativa, em dezembro, ter sido alvo de vários boicotes, o Ministério da Educação e Ciência insistiu e realizou uma segunda chamada em julho.

Um total de 10 220 professores fizeram a prova, dos cerca de 13 mil inscritos - 1473 reprovaram.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.