Miguel Relvas regressa e desafia Passos com primárias no PSD

Miguel Relvas diz que gostaria de debater possibilidade de eleições primárias para a liderança do partido a seguir às autárquicas

"Está na hora do meu partido, que nunca foi um partido instalado nem com dirigentes dependentes da vida política para viver, encarar este debate sobre as primárias". A frase é de Miguel Relvas, o ex-braço direito de Passos Coelho que assume o regresso à vida política com um desafio ao PSD: "está na hora" de discutir primárias no partido.

Ao Expresso, o antigo ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares de Passos Coelho - que foi fundamental para a eleição do líder do PSD em 2010 - disse que o debate das primárias tem de ser feito o mais rapidamente possível, apesar de saber que o líder do partido não tem a questão como prioritária.

Esta semana, Miguel Relvas surgiu ao lado de Luís Montenegro, tendo elogiado o líder parlamentar dos sociais-democratas como "um dos rostos do futuro" do partido. Ao Expresso, e ainda sobre as primárias, frisou que "debater ideias interessantes não é ser contra ninguém" e revelou que gostaria de debater a matéria entre outubro, depois das eleições autárquicas, e março de 2018, a data prevista para o próximo congresso do PSD.

Recorde-se que, em 2014, Rui Rio, ex-presidente da Câmara do Porto, defendia que as primárias seriam uma forma de o PSD se abrir à sociedade, perante o que aconteceu no PS, quando os simpatizantes socialistas se uniram aos militantes para designar António Costa e não António José Seguro como candidato a primeiro-ministro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.