Metro do Porto terá mais 5,7 quilómetros em 2022

Prevê-se que a obra comece entre abril e junho de 2019

O secretário do Ambiente assegurou esta segunda-feira que em 2022 o Metro do Porto terá "mais 5,7 quilómetros e sete estações", com a conclusão da linha Rosa, no Porto e o prolongamento da linha Amarela em Vila Nova de Gaia.

"Seguramente em 2022 teremos mais 5,7 quilómetros de Metro do Porto e mais sete estações", afirmou José Mendes, secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, em declarações aos jornalistas no Porto, após a assinatura dos contratos de elaboração dos projetos relativos à extensão das linhas daquele transporte.

De acordo com o governante, a perspetiva é ter os projetos das duas linhas concluídos "entre outubro e dezembro", lançando então o concurso da empreitada, que se espera adjudicar "no início de 2019" para começar a obra "entre abril e junho" do mesmo ano".

O secretário de Estado acrescentou que 24 meses é o prazo estimado para a construção da linha Rosa (G), que vai fazer a ligação entre São Bento, Cordoaria/Hospital de Santo António, Galiza/Centro Materno-Infantil e Casa da Música/Rotunda da Boavista, no Porto.

Quanto ao prolongamento a sul da Linha Amarela, compreende a ligação de Santo Ovídio a Vila d'Este, em Gaia, numa extensão de 3,2 quilómetros e incluindo três novas estações.

"Acredito que aos 145 milhões de passageiros que usaram em 2017 o sistema de bilhética Andante (5,4% de acréscimo na procura) e aos mais de 60 milhões transportados em 2017 pelo Metro possamos acrescentar bastantes mais viagens", afirmou o secretário de Estado.

Segundo o governante, esta operação deve servir para transportar "mais 33 mil pessoas", o equivalente "a uma cidade média".

"O transporte público em Portugal é absolutamente central, razão pela qual estamos também apostadíssimos nos apoios ao nível do tarifário e incentivos fiscais", acrescentou José Mendes.

De acordo com os contratos hoje assinados, o projeto da Linha Rosa (G) foi adjudicado ao consórcio formado pela SENER, CJC e NSE, por 1,82 milhões de euros.

O prolongamento da Linha Amarela (D) foi adjudicado às empresas LCW, Amberg Engineering e GRID, por 1,47 milhões de euros.

O Metro do Porto assinou também o contrato para a elaboração das quatro estações subterrâneas da Linha Rosa.

O documento foi assinado pelo arquiteto Eduardo Souto Moura, que terá de desenhar três das estações (rotunda [Boavista], praça da Galiza e Carregal/Hospital de Santo António), ao passo que o arquiteto Siza Vieira terá a cargo a estação da Praça da Liberdade.

Souto Moura disse estar "mais preocupado" com a estação do jardim do Carregal", porque "não queria cortar árvores".

O arquiteto vincou que lhe agrada trabalhar para o Metro do Porto, porque "para além de resolver problemas de mobilidade, muda a cidade".

"É um bom motivo para se fazer jardins, praças, para mudar os pavimentos ou a iluminação. É uma oportunidade única que, se não fosse o metro, não se fazia", disse.

Souto Moura indicou ainda querer "estudar muito bem a resistência das estações", porque as existentes "têm resistido muito bem a um uso brutal de milhares de pessoas".

"Não estou muito preocupado com a estética. Estou mais preocupado em que metro do Porto continue a ter este aspeto limpo e agradável, o que demonstra que a população tem afetividade por ele", notou.

O valor de referência para os projetos destas duas linhas era de 4,7 milhões de euros (2,6 milhões de euros para a Rosa e 2,1 milhões de euros para a Amarela), mas as propostas vencedoras totalizam menos 1,4 milhões, estando orçadas em cerca de 3,3 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.