Governo não confirma, para já, quatro novas estações de metro em Lisboa

Ministério do Ambiente corrigiu informação que dava conta de que, até 2022, abririam quatro novas estações de metro em Lisboa

Esta sexta-feira, o Ministério do Ambiente começou por informar que a rede do Metropolitano de Lisboa iria ter mais quatro estações até 2022 - Estrela, Santos, Campolide e Amoreiras -- num investimento de 684 milhões de euros.

Em comunicado, o Ministério adiantava que nos próximos cinco anos "serão acrescentados mais quatro quilómetros à rede em exploração e criadas quatro novas estações (Estrela, Santos, Campolide e Amoreiras)" e que será construída uma ligação pedonal subterrânea entre a futura estação das Amoreiras e o bairro de Campo de Ourique.

"Inseridas em zonas densamente povoadas, é esperado, com estas novas estações, o incremento de 12 milhões de passageiros", lê-se no documento.

Porém, pouco tempo depois, uma segunda nota do Ministério do Ambiente, recuava na informação. Na nova versão, o Ministério informa que, em 2017, está prevista a ampliação do cais da estação de Arroios e a reabilitação das instalações, nomeadamente das escadas mecânicas da estação Baixa-Chiado. Já sobre 2022, o comunicado informa apenas que a rede de metro será aumentada e serão construídas novas estações, sem entrar em detalhes.

Na segunda-feira, dia 8, o ministro do Ambiente preside à sessão de apresentação do plano de desenvolvimento operacional da rede do metropolitano de Lisboa. Nesta sessão, que terá lugar na Estação de S. Sebastião II, serão apresentados os investimentos a médio e curto prazo previstos para a rede do metropolitano de Lisboa e, ao que tudo indica, só então ficará esclarecida a informação sobre as novas estação do metropolitano na capital.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.