Troço do Metro entre o Aeroporto e Moscavide encerra temporariamente

O encerramento temporário vai ocorrer entre terça e sexta-feira. Os utentes do Metro de Lisboa podem utilizar os serviços da Carris e da Aerobus

A partir das 20:00 de terça-feira, a circulação na linha vermelha no troço entre as estações Aeroporto e Moscavide vai estar suspensa até às 06:30 de sexta-feira, devido a trabalhos na estação Encarnação.

"Este encerramento temporário destina-se a facilitar a remoção e o transporte de entulhos, resultantes dos trabalhos em curso na estação Encarnação, no âmbito das inspeções técnicas realizadas, para efeitos da receção definitiva da empreitada de construção daquela estação, que se vai manter temporariamente encerrada previsivelmente até ao dia 19 de junho", informa o Metro de Lisboa, em comunicado emviado às redações.

O Metro de Lisboa admite que podem ser "necessários outros condicionamentos"

Para minimizar o impacto deste encerramento temporário, o Metropolitano de Lisboa adianta que os utentes "podem utilizar os serviços da Carris, designadamente as carreiras 705 (Aeroporto-Moscavide) e 783 (Aeroporto-Entrecampos), com intervalos estimados de 10 minutos, bem como o serviço Aerobus, as quais serão reforçadas para o efeito". A empresa informa ainda que "os títulos de viagem Carris-Metro e os títulos diários serão aceites nas carreiras da Carris, com exceção do Aerobus".

O Metro de Lisboa admite que podem ser necessários "outros condicionamentos, que serão oportunamente comunicados". A empresa "vai continuar a monitorizar a evolução dos trabalhos em curso para completa avaliação das intervenções a realizar".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.