Metro de Lisboa já emite faturas com NIF nos postos de venda

Ao comprarem títulos de transporte, os utentes já podem pedir faturas com NIF nas máquinas automáticas e bilheteiras

Os utilizadores do Metro de Lisboa já não vão precisar de recorrer ao Portal VIVA para obterem faturas com Número de Identificação Fiscal. A partir desta quinta-feira, toda a rede do Metropolitano de Lisboa disponibiliza aos passageiros a possibilidade de obterem faturas com NIF, no ato da compra de títulos de transporte.

A emissão de faturas certificadas era feita através do Portal e do backoffice do Metro de Lisboa. Agora é possível adquirir faturas com NIF no ato da compra, nas máquinas automáticas e nas máquinas semiautomáticas (bilheteiras).

Caso o utente queira obter fatura com NIF, deve introduzir sempre o seu Número de Identificação Fiscal antes de efetuar o pagamento. Assim que o fizer, a fatura ficará disponível para validação no portal e-fatura da Autoridade Tributária, na área do contribuinte.

Em comunicado, o Metropolitano de Lisboa alerta para alguns requisitos que os utilizadores devem seguir. De acordo com as indicações da Autoridade Tributária, o programa permite apenas inserir o NIF - caso seja solicitado pelo cliente - em faturas inferiores a 99 euros. Nas faturas de 100 a 999 euros, se o utente quiser pedir fatura com NIF é apenas obrigatório o preenchimento do Número de Identificação Fiscal. Nestas circunstâncias, os dados relativos ao nome e morada são opcionais.

O Metropolitano de Lisboa reforça, assim, o seu empenho "para continuar a promover a mobilidade sustentável, seguindo os melhores padrões de qualidade, através da aposta em novas formas de fidelização e de captação de novos clientes", frisa a empresa em comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.