Mestrados em gestão da Nova e Católica nos 50 melhores

Dois mestrados em gestão portugueses fecham este ano o top 50 das melhores formações de nível master no ranking elaborado pelo jornal britânico Financial Times.

Esta publicação avalia anualmente as 70 melhores formações em gestão ao nível dos mestrados e, este ano, coloca os cursos das escolas de economia da Universidade Nova de Lisboa e da Universidade Católica Portuguesa entre os 50 melhores: o curso da Nova Business School of Economics (SBE) na 48.ª posição (seis lugares acima do 54.º posto ocupado em 2013) e o curso da Católica Lisbon School of Business and Economics imediatamente abaixo, no 49.º lugar (acima do 52-º posto ocupado em 2013).

Para a Nova SBE o ranking do Financial Times demonstra ainda que entre mestrados que integram a lista este é aquele que tem o 39.º melhor retorno face ao investimento realizado. O salário de um diplomado pela Nova SBE é, atualmente, de cerca de 32 mil euros anuais, e a taxa de empregabilidade para quem termina o mestrado é, ao fim de três meses, de 85%.

No caso do mestrado da Católica, esta formação superior apresenta o 43.º melhor retorno face ao investimento feito, e os seus diplomados ganham, anualmente, cerca de 30 mil euros. A taxa de empregabilidade é, no entanto, superior à da Nova SBE, com um registo de 97%.

No entanto, a Nova SBE leciona também o quinto melhor mestrado em gestão, criado pela rede CEMS, uma aliança global de dezenas de universidades e empresas que desenvolveu uma formação especializada e que pretende formar gestores de topo. A formação da rede CEMS subiu dois lugares face a 2013.

Este mestrado é visto pelo Financial Times como o 2.º melhor em termos de retorno face ao investimento e tem uma taxa de empregabilidade ao fim de três meses de 93%. O salário anual dos diplomados é superior a 48.500 euros anuais.

O ranking de 2014 volta a ser liderado pela universidade suíça St. Gallen. Em segundo lugar está um mestrado da francesa HEC Paris, e em terceiro lugar ficou posicionada outra instituição francesa, a Essec Business School.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.