Mesquita Machado investigado por estádio do Braga

O Ministério Público investiga crimes de prevaricação e gestão danosa no contrato assinado em 2004 entre a autarquia e o Sporting de Braga da construção do estádio

O MP e a Polícia Judiciária (PJ) de Braga estão a investigar o ex-autarca da cidade, o socialista Mesquita Machado, pelos crimes de prevaricação e gestão danosa. Em causa, alega o MP, estarão suspeitas relativas ao contrato relativo ao estádio do clube Sporting de Braga, aquando o Euro 2004, segundo avança o JN.

O contrato terá permitido ao clube passar a usufruir do estádio pagando 500 euros mensais à Câmara Municipal de Braga, na altura liderada por Mesquita Machado. A autarquia arcaria com as despesas de eletricidade e outras no total de 100 mil euros mensais.

Segundo avança o JN, a autarquia somaria assim 54 mil euros de rendas e pagou de despesas, a favor do clube, 900 mil. O que poder ser considerado favorecimento em prejuízo do Estado.

A investigação terá resultado de um relatório enviado por Ricardo Rio, já em 2013 presidente da Câmara de Braga, à Procuradoria-Geral da República. Segundo o JN, a PJ tem em mãos suspeitas relativas ao contrato de prolongamento do túnel da Avenida da Liberdade, em 2013, ainda no mandato anterior de Mesquita Machado, eleito pelo PS. Neste caso, a investigação decorre depois de uma queixa do vereador socialista, Hugo Pires, agora na oposição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.