Merkel destaca "cooperação luso-alemã"

A inauguração do novo centro de Tecnologia e Desenvolvimento (C&T) da Bosch contou esta quarta-feira com a chanceler alemã

A chanceler alemã destacou hoje a "cooperação luso-alemã" que a presença da Bosch em Portugal representa, referindo que aquela ligação exemplifica como "se está a trabalhar no futuro da Europa" com o desenvolvimento de novas tecnologias.

"Sabemos que a nossa prosperidade depende de sermos inovadores, o resto do mundo não fica de braços cruzados e é por isso para mim uma enorme alegria ver que aqui se está a trabalhar no futuro da Europa em cooperação entre dois países fisicamente distantes", afirmou Angela Merkel em Braga, na inauguração do novo centro de Tecnologia e Desenvolvimento (C&T) da Bosch.

O novo centro de Tecnologia e Desenvolvimento da Bosch de Braga irá albergar mais de 200 engenheiros para produção de sensores e funções de software para condução autónoma

Naquele que foi o primeiro momento da visita da chefe de Governo alemã ao país, Angela Merkel afirmou que hoje é "um bom dia" para a Bosch e para Portugal e apontou o setor da tecnologia como "rumo a seguir" para combater o desemprego em Portugal.

O novo centro de Tecnologia e Desenvolvimento (C&T) da Bosch de Braga, irá albergar mais de 200 engenheiros para produção de sensores e funções de software para condução autónoma.

Merkel fez um apelo: "Peço aos professores que despertem o entusiasmo aos alunos pelas novas tecnologias porque são profissões do futuro"

"É uma enorme alegria estar aqui hoje na inauguração deste novo centro, é um bom dia para a Bosch, para Braga e para a cooperação luso-alemã", destacou, num breve discurso antes de descerrar com o primeiro-ministro português, António Costa, a placa que assinala a inauguração das novas instalações da Bosch.

Merkel, deixou ainda um pedido: "Peço aos professores que despertem o entusiasmo aos alunos pelas novas tecnologias porque são profissões do futuro, sabemos que o desemprego foi, e ainda é, um problema, mas a questão é saber qual o rumo a seguir para ter um futuro e os números mostram quais são os setores do futuro", assinalou.

O novo centro da multinacional alemã, segundo afirmou o responsável pela Bosch em Portugal, Dirk Hoheisel, "mostra bem a importância de Portugal para o grupo", lembrando a presença no nosso país desde o início do século XX e que a Bosch conta atualmente com quatro unidades em Portugal (Braga, Aveiro, Ovar e Lisboa) e com mais de quatro mil colaboradores.

Entre 2015 e 2017, a Bosch investiu cerca de 200 milhões de euros em Portugal

"Este centro não é por isso apenas mais um marco da história em Portugal, mas também o testemunho da boa cooperação entre a Bosch, a Universidade do Minho e o Governo português", reforçou assim a opinião da chanceler alemã sobre a cooperação entre os dois países.

Entre 2015 e 2017, a Bosch investiu cerca de 200 milhões de euros em Portugal sendo que este ano os investimentos planeados estão "ao mesmo nível dos anos anteriores", segundo revelou a administração da multinacional alemã.

O novo centro, explica a Bosch, "surge com a diversificação dos projetos de inovação na empresa, incluindo o desenvolvimento de software", um investimento de cerca de 3 milhões de euros numa unidade de 4500 metros quadrados, que ocupou as instalações da antiga FDO, uma construtora bracarense, entretanto falida.

A Bosch destaca-se ainda pela parceria com as universidades portuguesas, e, sendo que o grupo submeteu uma nova candidatura a fundos europeus para projetos a serem desenvolvidos a partir do novo centro de T&D em parceria com a Universidade do Minho

Em fase aprovação, aquela candidatura prevê o investimento de 36 milhões de euros. entre 2018 e 2021.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.