Mergulhadores explodem engenho ao largo das Berlengas

Três mergulhadores da Marinha desativaram o engenho explosivo que se encontrava à deriva

Os mergulhadores da Marinha inativaram, esta manhã, um engenho explosivo que se encontrava a cerca de 1 milha náutica (cerca de 1,8 km) a sul das ilhas Berlengas.

De acordo com um comunicado da Marinha, o alerta foi dado pelas 6:30 da manhã por uma embarcação de pesca que estava a operar naquele local e informou a Polícia Marítima de Peniche sobre o avistamento de um engenho à deriva.

Então, uma lancha da Polícia Marítima de Peniche deslocou-se para o local para realizar o acompanhamento da deriva do objeto e efetuar a interdição da área por questões de segurança à navegação.

Pelas 13:00, a equipa do Destacamento de Mergulhadores Sapadores da Marinha, constituída por três elementos, deslocou-se para o local numa embarcação do Instituto de Socorro a Náufragos para realizar a inativação do engenho por denotação. Como não foi possível confirmar a inscrição do engenho, os responsáveis da Marinha presumem que seria uma mina de fundear de exercício.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.