Mergulhadores encontraram corpo de jovem desaparecido

Os mergulhadores do Regimentos de Sapadores Bombeiros de Lisboa encontraram pelas 21.20 o corpo do jovem de 15 anos que estava desaparecido desde as 16.00 desta segunda-feira.

O jovem desapareceu no rio Tejo, em Lisboa, depois de se ter lançado à água, na zona de Santa Apolónia. O menor, segundo o capitão do Porto de Lisboa, Cruz Gomes, integrava "um grupo de sete jovens, entre os 12 e os 17 anos, da zona da Graça, Alfama, que resolveu tomar banho na margem do rio, em zona aberta, de acesso público", informou.

O jovem não sabia nadar e os colegas procuraram socorrê-lo, quando ficou em dificuldades, especificou Cruz Gomes.

O alerta para o 112 foi feito às 16.15 por um transeunte, a quem o grupo pediu ajuda, e duas embarcações na Polícia Marítima (PM) foram mobilizadas para o local, bem como 15 mergulhadores dos sapadores e outros forenses da PM.

"O trabalho mais importante agora é o dos mergulhadores", disse o comandante da Capitania, identificando as correntes como a maior dificuldade, apesar de não as considerar significativas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.