Mercado 31 de Janeiro pode vir a ser o Mercado Açucena Veloso

Associação dos Comerciantes nos Mercados de Lisboa vai propor à Câmara que o mercado lisboeta adote o nome da "peixeira dos famosos", que morreu num acidente no passado domingo

A Associação dos Comerciantes nos Mercados de Lisboa (ACML) vai propor à Câmara Municipal que o nome do Mercado 31 de Janeiro, em Lisboa, seja alterado em memória de Açucena Veloso, a célebre "peixeira dos famosos" que morreu num acidente de viação no passado domingo, 11 de fevereiro, aos 65 anos.

Numa mensagem publicada no Facebook da ACML, da qual Açucena Veloso era diretora, exercendo ainda o cargo de tesoureira, a associação informa que "proporá à Camara Municipal de Lisboa a mudança de nome do Mercado 31 de Janeiro, o seu mercado, para Mercado Açucena Veloso".

O mesmo texto recorda o percurso de Açucena Veloso, que fornecia o peixe para alguns dos mais reconhecidos 'chefs' a trabalhar na restauração na capital. "A sua vida confunde-se com o Mercado e os Mercados de Lisboa, foram 56 anos de atividade permanente e ininterrupta. Hoje em dia é muito normal falarmos de empreendedorismo e casos de sucesso de jovens empreendedores de diversas áreas, Açucena Veloso foi pioneira também aqui, uma grande empreendedora, fez nascer, crescer e replicar um negócio onde emprega dezenas de funcionários e fornece dezenas de Chef´s, restaurantes e hotéis. Sem nunca deixar a "sua" banca no 31 de Janeiro, e o seu contagiante sorriso para todos e cada cliente. Além disso sempre a lutar pelos Mercados de Lisboa e pelos seu colegas de trabalho, entrou para a Associação de Comerciantes nos Mercados de Lisboa (ACML) em 14 de Julho de 1988, tendo sido logo eleita delegada pelo sector do peixe em 1989. Foram 30 anos dedicados ao associativismo do sector".

A mesma nota refere: "Para além de comerciante de renome, lutadora aguerrida e defensora dos Mercados, Açucena Veloso é lembrada também pelo seu fortíssimo sentimento de solidariedade e ajuda aos outros. São muitas as pequenas histórias narradas de pessoas a quem ela ajudou ou matou a fome, mantendo-se sempre disponível para ajudar os outros, apoiar projetos sociais e instituições de solidariedade Social, Açucena Veloso nunca soube dizer que não. [...] A ACML proporá à Camara Municipal de Lisboa a mudança de nome do Mercado 31 de Janeiro, o seu mercado, para Mercado Açucena Veloso".

Ao jornal Público, a presidente da ACML, Maria Luísa Carvalho, disse que já tem a concordância do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, e que a proposta será levada a assembleia municipal.

Açucena Veloso morreu na sequência do despiste do automóvel que conduzia na zona de Corroios, no concelho do Seixal, distrito de Setúbal, no passado domingo. Era a única ocupante do veículo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."