Mendes: Governo provoca Marcelo com lei de acesso às contas bancárias

Antigo líder do PSD afirma que o Presidente da República não vai aceitar a lei segundo a qual o Fisco passa a ter acesso aos saldos bancários superiores a 50 mil euros.

Marques Mendes considera que a aprovação da lei que irá permitir que o fisco consulte as contas bancárias com saldo superior a 50 mil euros é o primeiro conflito público entre o governo e o Presidente da República. Isto porque, afirmou o ex-líder do PSD no seu habitual comentário na SIC, Marcelo avisou em agosto que era contra a ideia e o governo decidiu "afrontar" o pensamento do Presidente.

Para o comentador político, Marcelo Rebelo de Sousa não promulgará a lei. E tem duas hipóteses: ou um veto político ou enviar o diploma para o Tribunal Constitucional. Lembrou que se o Chefe de Estado fizer um veto político, a lei fica "arquivada" porque é um decreto -lei do Governo e não um diploma do Parlamento.

O também conselheiro de Estado, enquadrou a ida de Marcelo ao Departamento de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e ao congresso do juízes na valorização que quer fazer da justiça. Mas afirmou que o Governo não gostou nada que Marcelo tivesse lançado a ideia de um Pacto para a Justiça.

Salientou ainda o facto do Presidente ter defendido publicamente que a Justiça tenha gabinetes de imprensa, para que os cidadãos entendam as decisões .

Ainda sobre este sector, mostrou-se compreensivo com a entrevista do chamado "super-juiz", Carlos Alexandre, mas criticou as "piadas" e as "bicadas" a José Sócrates ao dizer: "não tenho contas em nome de amigos". Marques Mendes considerou que estas declarações foram um "brinde" ao ex-primeiro-ministro para se faça de vítima.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."