Mendes diz que Rio deve dizer como o PSD votará o OE 2019

Antigo líder do PSD entende que o novo líder do partido deve rejeitar o Orçamento do Estado para o próximo ano.

Marques Mendes defendeu este domingo na SIC que no congresso do PSD do próximo fim de semana o novo líder do partido deve já clarificar como a bancada social-democrata votará o Orçamento do Estado para 2019.

O antigo líder do PSD sublinhou que depois de ter votado contra três orçamentos da geringonça, não faz sentido viabilizar o último antes das próximas eleições legislativas.

Em entrevista ao Expresso, Pedro Santana Lopes também defendeu que o PSD deverá rejeitar o próximo Orçamento do Estado, embora tenha admitido que a estratégia aprovada pelo partido ao eleger Rui Rio poderá ir noutro sentido.

Ainda sobre os dois discursos de Rui Rio no congresso, um na abertura e outro no encerramento, Marques Mendes disse que é importante estabelecer causas e prioridades. Pelo que deverá ter um discurso político novo em relação à economia, no domínio social e tem de definir quais os acordos de regime que quer negociar "e não esperar ir a reboque de Costa". Este foi também o desafio lançado na semana passada pelo antigo líder da distrital de Lisboa do PSD Miguel Pinto Luz, que numa carta enviada ao líder eleito do PSD exigia que clarificasse a sua posição em relação a eventuais acordos com o governo socialista.

Marques Mendes considerou uma vantagem Rio estar aberto a pactos de regime porque é bom para o país e "na oposição dá-lhe credibilidade".

O antigo líder do PSD lançou também a hipótese de uma candidatura presidencial de Pedro Passos Coelho no futuro. Mas admitiu que "tudo depende das circunstâncias".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.