Mendes diz que apoio a Cristas implica deixar cair Moreira

Comentador da SIC declarou que sociais democratas até podem apoiar Assunção Cristas desde que o CDS não apoie recandidatura de Rui Moreira

Por detrás de um eventual apoio do PSD à candidatura de Assunção Cristas à Câmara de Lisboa há, segundo Marques Marques, uma "segunda parte da narrativa": a contrapartida desta coligação seria o CDS não apoiar, como nas últimas autárquicas, Rui Moreira, no Porto. Serão estes os bastidores de uma negociação que poderá estar a decorrer, mas que oficialmente os dois partidos já negaram. Seja como for, o comentador da SIC, disse que a "solução será má para ambas as partes".

No habitual espaço de comentário, Marques Mendes afirmou ter "sérias dúvidas que a negociação com estes dois objetivos tenha pés para andar". Por um lado, disse, "o CDS está numa posição confortável". "Nunca vai ceder no apoio a Rui Moreira no Porto. E, se o PSD mesmo assim apoiar Cristas, tem de o fazer sem contrapartidas", finalizou. Recorde-se que, em março no congresso do CDS, Assunção Cristas foi clara ao declarar pretender renovar o apoio a Rui Moreira.

Se, mesmo assim, a ideia de apoiar Assunção Cristas se concretizar numa coligação, Mendes considerou que será uma "atitude de rendição" por parte de Pedro Passos Coelho: "Dir-se-á que só faz isto porque não tem candidato. Ou seja, exibe fraqueza externa e cria divisão interna", referiu, acrescentando que a presidente do CDS também não ficará muito bem na fotografia: "Ela não quer ganhar e ser Presidente da Câmara. O que quer é contar votos e mostrar que vale mais do que vale habitualmente o CDS. Com o apoio do PSD tudo muda. Se ganhar, dir-se-á que se deve ao PSD e não ao seu mérito. Se perder será criticada porque, com o apoio do PSD, tem obrigação de ganhar. E já não faz a contagem de votos que lhe interessa".

Apesar das inúmeras informações que têm vindo a público sobre a hipótese de coligação PSD-CDS em Lisboa, mas liderada pelo segundo partido, as estruturas de ambas as forças políticas não rejeitaram totalmente o cenário, dizendo apenas, em resumo, que a autarquia da capital "está em aberto".

Ontem, em declarações ao DN, Carlos Carreiras, coordenador autárquico do PSD, escusou-se a dizer se existe a intenção de encetar essas conversações, mas diz não querer "alimentar especulações que têm um objetivo claro" e que "não é o de favorecer o PSD, bem antes pelo contrário".

Por sua vez, o porta-voz da candidatura de Assunção Cristas e presidente da distrital, João Gonçalves Pereira, também foi quase perentório, deixando alguma margem de manobra para um eventual futuro próximo: "Não houve nenhuma conversa formal ou informal entre o CDS e o PSD sobre uma possível coligação em Lisboa de apoio à Assunção Cristas. Está tudo exatamente na mesma como antes. O CDS tem uma candidata e todos os dias tem estado no terreno a ouvir a cidade, os problemas das pessoas e, através do programa que está a preparar, a propor soluções".

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.