Mendes diz que apoio a Cristas implica deixar cair Moreira

Comentador da SIC declarou que sociais democratas até podem apoiar Assunção Cristas desde que o CDS não apoie recandidatura de Rui Moreira

Por detrás de um eventual apoio do PSD à candidatura de Assunção Cristas à Câmara de Lisboa há, segundo Marques Marques, uma "segunda parte da narrativa": a contrapartida desta coligação seria o CDS não apoiar, como nas últimas autárquicas, Rui Moreira, no Porto. Serão estes os bastidores de uma negociação que poderá estar a decorrer, mas que oficialmente os dois partidos já negaram. Seja como for, o comentador da SIC, disse que a "solução será má para ambas as partes".

No habitual espaço de comentário, Marques Mendes afirmou ter "sérias dúvidas que a negociação com estes dois objetivos tenha pés para andar". Por um lado, disse, "o CDS está numa posição confortável". "Nunca vai ceder no apoio a Rui Moreira no Porto. E, se o PSD mesmo assim apoiar Cristas, tem de o fazer sem contrapartidas", finalizou. Recorde-se que, em março no congresso do CDS, Assunção Cristas foi clara ao declarar pretender renovar o apoio a Rui Moreira.

Se, mesmo assim, a ideia de apoiar Assunção Cristas se concretizar numa coligação, Mendes considerou que será uma "atitude de rendição" por parte de Pedro Passos Coelho: "Dir-se-á que só faz isto porque não tem candidato. Ou seja, exibe fraqueza externa e cria divisão interna", referiu, acrescentando que a presidente do CDS também não ficará muito bem na fotografia: "Ela não quer ganhar e ser Presidente da Câmara. O que quer é contar votos e mostrar que vale mais do que vale habitualmente o CDS. Com o apoio do PSD tudo muda. Se ganhar, dir-se-á que se deve ao PSD e não ao seu mérito. Se perder será criticada porque, com o apoio do PSD, tem obrigação de ganhar. E já não faz a contagem de votos que lhe interessa".

Apesar das inúmeras informações que têm vindo a público sobre a hipótese de coligação PSD-CDS em Lisboa, mas liderada pelo segundo partido, as estruturas de ambas as forças políticas não rejeitaram totalmente o cenário, dizendo apenas, em resumo, que a autarquia da capital "está em aberto".

Ontem, em declarações ao DN, Carlos Carreiras, coordenador autárquico do PSD, escusou-se a dizer se existe a intenção de encetar essas conversações, mas diz não querer "alimentar especulações que têm um objetivo claro" e que "não é o de favorecer o PSD, bem antes pelo contrário".

Por sua vez, o porta-voz da candidatura de Assunção Cristas e presidente da distrital, João Gonçalves Pereira, também foi quase perentório, deixando alguma margem de manobra para um eventual futuro próximo: "Não houve nenhuma conversa formal ou informal entre o CDS e o PSD sobre uma possível coligação em Lisboa de apoio à Assunção Cristas. Está tudo exatamente na mesma como antes. O CDS tem uma candidata e todos os dias tem estado no terreno a ouvir a cidade, os problemas das pessoas e, através do programa que está a preparar, a propor soluções".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.