Medina quer plantar mais 80 mil árvores na cidade

Autarca de Lisboa anunciou hoje que é sua intenção que a capital venha a contar com mais 80 mil árvores e mais áreas verdes até ao final do mandato, em 2021.

Medina prestou esta informação na reunião da Assembleia Municipal de Lisboa que decorreu hoje, durante a apresentação da informação escrita do presidente.

Durante essa intervenção, o autarca debruçou-se maioritariamente sobre o facto de Lisboa ter sido escolhida na semana passada como Capital Verde Europeia em 2020.

Medina salientou que "nos últimos anos" houve um aumento de "mais de 200 hectares de zonas verdes" na cidade.

É um aumento que queremos prosseguir com mais corredores verdes, com mais zonas verdes, com mais parques, com zonas integradas, com mais zonas de lazer

O presidente da Câmara de Lisboa quer dotar a cidade de "zonas verdes que cumpram o objetivo de redução da onda de calor".

Isto passa pela "plantação de mais 80 mil árvores até ao final do mandato, que permitam ser um grande efeito para a redução da temperatura na cidade de Lisboa, mas que ao mesmo tempo cumpram um plano de apoio à biodiversidade, que cumpram o objetivo do apoio à mobilidade, que cumpram o objetivo de apoio ao plano de drenagem e à retenção de águas de forma natural nas zonas que são criadas".

"E naturalmente, que sejam também um instrumento de apoio à redução do ruído na cidade de Lisboa", apontou.

Para Medina, "a política de expansão das áreas verdes é uma política central do ponto de vista da qualidade de vida, do ponto de vista da mobilidade, mas fundamentalmente do ponto de vista da sustentabilidade ambiental da cidade de Lisboa".

Apesar de não ter especificado onde se irão localizar todas as novas zonas verdes, o responsável afirmou que o projeto de requalificação da Praça de Espanha prevê um jardim "terá dimensão superior a duas vezes o Jardim da Estrela".

Quanto aos terrenos da antiga Feira Popular, em Entrecampos, "36% será espaço verde permeável"

"Esta agenda de sustentabilidade é, no fundo, a agenda do futuro da cidade de Lisboa", sustentou Fernando Medina.

Em resposta à deputada do PPM, o socialista manifestou ter "total confiança nas juntas de freguesia para aplicação do regulamento do arvoredo e das suas competências nessa matéria", depois de a Câmara ter voltado a assumir a gestão do arvoredo no eixo entre a Praça dos Restauradores, Avenida da Liberdade e Campo Grande.

Segundo Medina, esta opção teve a ver com "uma questão prática", uma vez que estão envolvidas várias freguesias.

No futuro, afirmou, esta medida poderá ser alargada também à Avenida 24 de Julho.

Também na intervenção inicial da informação escrita, o presidente do município adiantou que os autocarros que foram adquiridos para reforçar a frota da Carris irão "chegar em setembro".

No início de fevereiro, a Câmara de Lisboa assinou o processo de aquisição de 165 novos autocarros movidos a gás natural comprimido, e na altura apontou que uma centena deles deveriam estar nas ruas até ao final do ano.

A estes juntar-se-ão veículos elétricos, que deverão chegar no primeiro trimestre de 2019, para renovar e ampliar a frota atual.

Na sessão plenária, Fernando Medina foi ainda questionado pelo PSD se "tem alguma novidade sobre algum processo [judicial] mais relevante nos últimos dias", mas o presidente da Câmara da capital não respondeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.