Medina e BE prestes a fechar acordo em Lisboa

Acordo apenas dependente de ratificação pela direção do BE, que deverá selar hoje o entendimento

Fernando Medina e o Bloco de Esquerda estão à beira de um entendimento para a Câmara Municipal de Lisboa. Ao que o DN apurou falta o "sim" final da direção bloquista, que reúne hoje para analisar e decidir se ratifica os termos do acordo, selando assim a solução de governação para a capital. Por saber está ainda o pelouro que caberá a Ricardo Robles, o vereador eleito pelo BE nas eleições de 1 de outubro.

Para amanhã está marcada a primeira reunião do executivo camarário eleito nas autárquicas de 1 de outubro. A ordem de trabalhos da reunião inclui, como primeiro ponto, "aprovar a fixação do número de vereadores em regime de tempo inteiro". E também "aprovar a delegação de competências da Câmara Municipal de Lisboa no seu presidente" - o primeiro passo para que Medina possa designar depois os pelouros atribuídos a cada vereador. Se a direção do BE aprovar hoje o acordo, o líder da autarquia poderá, já amanhã, definir as atribuições da vereação.

Com oito vereadores, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa precisa de mais um assento para garantir a maioria. O acordo, cujos termos são ainda desconhecidos, deverá definir de que forma o BE se posicionará face às propostas do executivo.

Nas últimas semanas têm-se sucedido as reuniões entre as duas partes, com três temas a dificultar o acordo - habitação, transportes e educação. No primeiro caso, as divergências prenderam-se sobretudo com o número de fogos a colocar no regime de renda acessível, durante o mandato autárquico que agora se inicia, e com a forma de financiamento deste programa, que o Bloco de Esquerda defende que deve ser exclusivamente público. Isto quando a câmara tem já em marcha um programa que prevê um investimento total privado de 708 milhões de euros. Este foi, aliás, um tema de crítica mútua entre Medina e Robles durante a campanha eleitoral, com o bloquista a acusar a câmara de estar a promover uma Parceria Público-Privada PPP), e o autarca socialista a devolver que o plano do BE é uma "ultra PPP- Plano só Para o Papel".

Já no que se refere aos transportes, a Carris e o Metro foram as duas principais questões a emperrar a negociação. No plano da Educação, o Bloco elegeu como uma das principais bandeiras, durante a campanha eleitoral, a abertura de pelo menos 48 novas creches públicas.

A concretizar-se o entendimento, este será um acordo inédito entre socialistas e bloquistas. De fora fica o PCP (dois vereadores), que recusou acordos permanentes para a governação da capital, uma recusa que mereceu duras críticas de Fernando Medina no dia da tomada de posse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.