Médicos recebem garantia de mais vagas de internato

Esquerda compromete-se a ter um documento único a pedir ao governo a criação de vagas adicionais para o concurso de internato

Os partidos da esquerda saíram ontem da comissão de Saúde com o compromisso de redigirem um documento "conjunto e mais abrangente", a partir dos projetos de resolução do PS, do BE e do PCP, que pede ao governo "a adoção de medidas urgentes para a criação de vagas adicionais ao concurso de internato médico". Um projeto que já vem do ano passado, a propósito dos jovens médicos (114) que em 2015 não puderam candidatar-se a uma qualquer especialidade.

"Vamos tentar uma redação conjunta, vamos ver se é possível", disse ao DN António Lacerda Sales, também ele médico e deputado eleito pelo PS, que participou na reunião de ontem ao lado do socialista Luís Graça, de Teresa Caeiro (CDS), Cristóvão Norte (PSD), Jorge Costa (BE) e Paulo Sá (PCP), um dos autores desta recomendação. As três forças políticas que sustentam o atual governo concordaram em sentar-se à mesma mesa para redigir a proposta, cuja versão final deverá ser discutida na próxima reunião da comissão. Desse documento farão parte os projetos de resolução do PS (alteração das normas e das condições de acesso à formação específica em Medicina) e do BE (a implementação de medidas que garantam o acesso a formação especializada a todos os médicos). O PCP levantou a questão pela primeira vez no final do ano passado, a propósito do concurso para o internato médico de 2015, marcado por uma sucessão de acontecimentos "que são motivo de grande preocupação para os jovens médicos e para a qualidade da prestação de cuidados de saúde à população".

Em novembro de 2015 foi publicado o mapa de vagas para o concurso de internato médico que incluía um total de 1569 vagas. Soube-se, entretanto, que as vagas não eram suficientes para o número de candidatos (mais de 1700), pelo que haveria jovens médicos impedidos de ingressar na especialidade. No dia seguinte iniciava-se o processo de escolha de vagas, e dois dias depois foi publicado o mapa final de vagas. A 4 de dezembro era publicado o aviso a informar os candidatos de "que foram preenchidas as 1569 vagas, dando-se, assim, por concluído o processo de escolhas de especialidade inerentes ao concurso referido". O PCP diz não ter dúvidas de que "o concurso fica ainda marcado por situações que, de acordo com várias organizações representativas dos médicos, configuram irregularidades, erros, atrasos e falhas na plataforma informática". Perante a informação, confirmou-se que 114 jovens médicos não tiveram opção de escolha de especialidade.

Extinção de centro hospitalar

Um dos pontos mais quentes da reunião de ontem foi a recomendação do BE que aponta para a imediata extinção do Centro Hospitalar do Algarve. O BE aposta antes na valorização do Hospital de Faro e do Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio, "com gestão descentralizada, reforçando-os com novos profissionais, melhorando e criando novas valências e serviços". Também o PCP apoia a reversão do processo de fusão dos hospitais algarvios num único centro hospitalar. Da comissão fazem parte vários deputados naturais daquela região, o que serviu para exaltar os ânimos. Mais uma vez, o PS terá pela frente um difícil jogo de cintura, pois existem dois projetos de resolução votados na anterior legislatura, em que os socialistas (na altura oposição) também apoiavam esta medida impopular.

Exclusivos